publicidade

No último dia 28, terça-feira, três universidades estaduais de São Paulo: USP, Unicamp e Unesp, resolveram divulgar o calendário do vestibular. Vale lembrar que, existem algumas mudanças por conta do adiamento do Enem.

USP, Unicamp e Unesp anunciam mudanças no cronograma do vestibular 2021
USP, Unicamp e Unesp anunciam mudanças no cronograma do vestibular 2021 (Imagem: Reprodução Google)
publicidade

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) vão dividir o processo seletivo em duas fases. Basicamente, serão dois dias de prova para diminuir aglomerações nas salas de aula.

O mais interessante é que todas elas vão realizar as provas em datas diferentes. Isso significa que os estudantes podem concorrer em todas, se assim desejarem.

Confira o calendário do vestibular de cada uma delas

Universidade de São Paulo (USP)

  1. Primeira fase: 10 de janeiro
  2. Segunda fase: 21 e 22 de fevereiro

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

  1. Primeira fase: 30 de janeiro para os candidatos da área de Biológicas. 31 de janeiro para os candidatos das áreas de Humanidades e Exatas
  2. Segunda fase: 28 de fevereiro para todos os candidatos

Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

  1. Primeira fase: 06 de janeiro para os candidatos das áreas de Exatas e Tecnológicas e de Ciências Humanas e Artes. Dia 07 de janeiro para as áreas de Ciências Biológicas e Saúde
  2. Segunda fase: 07 e 08 de fevereiro para todos os candidatos

Adiamento do Enem

As provas do Enem costumam ser realizadas no mês de novembro de cada ano. Com o adiamento, elas ocorrerão apenas em 17 e 24 de janeiro de 2021.

Com as provas nessas datas, o resultado só sairá em 29 de março. Esse foi um dos motivos para que algumas universidades resolvessem apostar no calendário sem o Enem. Afinal, o ano letivo deve começar antes dessa data e ficaria inviável utilizar a nota do Exame.

Um estudo recente garante que, Brasil poderá ter, em 2021, queda exponencial no número de novas matrículas no ensino superior. O que seria muito diferente do que vem ocorrendo em anos anteriores.

Desde a criação do Enem, como porta de entrada para universidades, o número de brasileiros no Ensino Superior só tem crescido.

O Censo da Educação Superior mostra que 80% das matrículas da graduação no país estão nas instituições particulares, já que o ensino público não comporta a demanda. Com essa questão, o número pode aumentar ainda mais.

 

Bartira Araújo é formada em Jornalismo pela pela Universidade Santa Cecília. Já trabalhou como analista de comunicação em uma agência de tecnologia e marketing e atualmente é redatora do portal FDR.