Erros no sistema do Caixa Tem geram conflitos entre fintechs. Nessa semana, usuários dos bancos digitais como Nubank e PicPay receberam o valor do auxílio emergencial em dobro. A liberação extra ocorreu por causa de um entrave operacional na Caixa Econômica e acabou resultando em problemas para todas as marcas envolvidas. 

publicidade
Caixa TEM falha e clientes do Nubank e PicPay recebem auxílio emergencial em DOBRO (Imagem: Reprodução - Google)
Caixa TEM falha e clientes do Nubank e PicPay recebem auxílio emergencial em DOBRO (Imagem: Reprodução – Google)
publicidade

Visando resolver a situação, o Banco Central orientou que fosse feito um estorno em todas as contas que tiveram o benefício dobrado, mas isso acabou afetando outros correntistas. 

Para poder fazer a primeira liberação do auxílio emergencial, Caixa Econômica Federal criou uma conta poupança digital onde os valores são depositados. A modalidade é similar aos sistemas de fintech, mas não permite a realização de saques antes de um período de 30 dias.  

Para poder antecipar a verba, os beneficiários são aconselhados a acessar plataformas como o PicPay ou o NubankAtravés da criação de seus próprios boletos, com limite máximo de R$ 1.000, o correntista consegue fazer o pagamento por meio do Caixa Tem e assim tem a quantia liberada na conta em que gerou o carnê.  

Falhas de pagamento 

Foi exatamente nesse processo de repassar a prestação de contas dos usuários que a Caixa errou e acabou repetindo uma ou mais vezes. Desse modo, um beneficiário que deveria receber R$ 600, por exemplo, teve um depósito de R$ 1.200 em sua conta Nubank ou PicPay 

Ciente da situação, como forma de correção, o Banco Central orientou as instituições bancárias a fazerem um estorno direto na conta de cada usuário. Sendo assim, a quantia extra repassada seria retirada sem o consentimento do mesmo.  

Atrapalho na devolução 

O problema foi que, nesse processo de reaver os valores depositados incorretamente, tanto o Nubank quanto o PicPay acabaram retirando quantias de clientes que nem ao menos estavam cadastrados no auxílio emergencial.

Diante da confusão, uma série de queixas começaram a aparecer nos perfis digitais das marcas, gerando uma exposição grande sobre o problema. 

Até o momento, a Caixa, o Nubank e o PicPay não se pronunciaram sobre tais erros. Acredita-se que quem teve retiradas incorretas será reembolsado nos próximos dias e não se sabe se o processo de antecipação do auxílio por meio do pagamento de boletos será suspenso. 

Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.