BPC ameaçado! Pente fino prejudica milhares de brasileiros

Pago pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), o BPC auxilia ao promover uma ajuda financeira para dois grupos. O benefício é liberado de forma mensal por meio do depósito de R$ 1.412. No entanto, é preciso que o cidadão fique atento as regras do BPC.

BPC ameaçado! Pente fino prejudica milhares de brasileiros. (Imagem: FDR)

Isso porque o Governo Federal, por meio do INSS, anunciou recentemente a realização de um pente fino nos benefícios que são pagos pelo Instituto. A medida tem o objetivo de identificar eventuais irregularidades entre a lista de beneficiários. O mesmo processo também está sendo realizado com outros programas da esfera federal.

Saiba mais sobre o pente fino do BPC:

  • Análise tem procurado eventuais irregularidades entre os inscritos;
  • Atualmente o BPC é pago para idosos com mais de 65 anos e pessoas com deficiência;
  • De acordo com a especialista do FDR, Laura Alvarenga, esses grupos precisam comprovar que são de baixa renda para receber o pagamento;
  • Além disso, é essencial que as famílias que desejam receber o BPC também estejam inscritas no CadÚnico;
  • No caso dos cidadãos que possuem algum tipo de deficiência também é necessário passar pela perícia médica do INSS;
  • O pente fino do BPC tem sido por meio do cruzamento de dados;
  • Dessa forma, caso seja identificada alguma inconstância ou fraude, a família pode ter o benefício suspenso ou cancelado;
  • Para evitar a situação é essencial manter o cadastro único atualizado;
  • O processo deve ser realizado de forma periodíca em uma unidade do CRAS;
  • A recomendação é de que a atualização seja realizada a cada dois anos;
  • Para as famílias que ultrapassam o prazo existe a possibilidade de suspensão do benefício;
  • No entanto, antes que a medida seja tomada efetivamente, as famílias são notificadas e ganham a oportunidade de regularizar a situação.

Veja outras informações sobre o Benefício de Prestação Continuada neste link.

Danielle Santana
Jornalista formada pela Universidade Católica de Pernambuco, já atuou como repórter no Jornal do Commercio, Diario de Pernambuco e Folha de Pernambuco. Nos locais, acumulou experiência nas editorias de economia, cotidiano e redes sociais. Possuí experiência ainda como assessora de imprensa.