Vale a pena sacar o FGTS no final do ano? Descubra aqui as vantagens e desvantagens

É muito comum que no final do ano as contas apertem, com gastos extras, desejo por caprichar nos presentes de Natal, ou a própria necessidade de pagar contas. Diante de tudo isso, surge a possibilidade de fazer o saque do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Mas será essa a melhor opção?.

Vale a pena sacar o FGTS no final do ano? Descubra aqui as vantagens e desvantagens
Vale a pena sacar o FGTS no final do ano? Descubra aqui as vantagens e desvantagens (Imagem FDR)

A única possibilidade de sacar o FGTS sem estar relacionado a problemas de saúde, aposentadoria, financiamento imobiliário ou vivendo em calamidade pública, é pelo saque-aniversário. Além de liberar até 50% do que está disponível na conta, também dá opção de antecipar as parcelas dos próximos anos.

Liberação do saque-aniversário do FGTS

O saque-aniversário do FGTS é pela regra original liberado uma vez por ano. A transferência acontece no mês de nascimento do trabalhador, e concede de 5% a 50% do que há disponível na conta.

Para isso é preciso abrir mão do saque-rescisão, e fazer a troca de modalidade padrão do seu Fundo de Garantia até o último dia do mês do seu nascimento, no App do FGTS. Caso contrário, o pagamento acontece apenas no ano seguinte.

Em dezembro é possível receber uma parcela do saque-aniversário quando:

  • O trabalhador é nascido em dezembro, neste caso recebe no mês do seu nascimento;
  • O trabalhador nasceu em outubro ou novembro, já aderiu ao saque-aniversário no mês do seu aniversário, mas ainda não havia recebido;
  • Quem nasceu nos demais meses, aderiu ao saque-aniversário e optou pela antecipação por meio de empréstimo; ou
  • Quem já recebeu a parcela neste ano, mas quer fazer o empréstimo para antecipação.

Vale a pena sacar o FGTS no final do ano?

Mas, será mesmo que mexer no saldo disponível no seu Fundo de Garantia é recomendado para as contas do final do ano? A orientação de especialistas é de que o trabalhador seja racional, e faça as seguintes comparações:

  • Vale a pena:
    • quando você tem um emprego estável, com pouquíssimas chances de ser demitido;
    • se o dinheiro for usado para uma situação de emergência real;
    • quando há uma boa grana a ser recebida.
  • Não vale a pena:
    • se você tem pouco tempo de serviço e ainda corre o risco de ser demitido;
    • para uso supérfluo do valor;
    • se o dinheiro disponível ainda é muito baixo.

Lila Cunha
Autora é jornalista e atua na profissão desde 2013. Apaixonada pela área de comunicação e do universo audiovisual. Suas redes sociais são: @liilacunhaa, e-mail: [email protected]