PREPARE O BOLSO! Preços voltam a SUBIR e brasileiros ficam preocupados; confira maiores altas

A inflação brasileira vinha desacelerando desde fevereiro. Porém, neste mês voltou a acelerar puxado pelo grupo de Transportes (1,50%) e com destaque para a gasolina (4,75%). Com isso, os preços voltaram a subir e brasileiros vão precisar preparar o bolso para a compra de alguns produtos e serviços.

PREPARE O BOLSO! Preços voltam a SUBIR e brasileiros ficam preocupados; confira maiores altas
PREPARE O BOLSO! Preços voltam a SUBIR e brasileiros ficam preocupados; confira maiores altas. (Imagem: FDR)

O preço da cesta dos produtos mais consumidos no país subiu 0,12% em julho. O percentual foi divulgado na sexta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ele diz respeito ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O IPCA é o índice oficial de inflação do Brasil, servindo como referência para o regime de metas do Banco Central (BC). No acumulado de 2023, o centro da meta perseguida pela autoridade monetária é de 3,25%.

O índice considera para mapeamento do aumento, diminuição ou estabilidade geral nos preços, os custos com alimentação e bebidas, habitação, saúde, transportes, educação, e outros.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE para o cálculo do IPCA, cinco tiveram alta em julho. Mas, também houve deflação (queda) em alguns produtos.

O resultado de julho veio acima da expectativa de mercado, que era de uma alta de 0,07% no mês. Mas analistas entendem que o resultado geral veio benigno, por conta de uma desaceleração na inflação de serviços.

Grupos que compõem o IPCA e tiveram seus preços reajustados

Em julho, cinco dos nove grupos do IPCA tiveram alta. Além de transportes, houve alta em saúde e cuidados pessoais e despesas pessoais. Já grupos importantes como alimentação e bebidas e habitação tiveram quedas.

  • Alimentação e bebidas: -0,46%;
  • Habitação: -1,01%;
  • Artigos de residência: 0,04%;
  • Vestuário: -0,24%;
  • Transportes: 1,50%;
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,26%;
  • Despesas pessoais: 0,38%;
  • Educação: 0,13%;
  • Comunicação: -0,00%.

A alta da inflação foi puxada principalmente pelos transportes, que registraram alta de preços de 1,50% em julho, influenciado principalmente pelo aumento de 4,75% na gasolina. Também tiveram inflação o gás veicular (3,84%) e o etanol (1,57%), além da passagem aérea (4,97%) e os automóveis novos (1,65%).

Os alimentos continuaram registrando deflação (queda de preços), ajudando a evitar uma alta maior do IPCA. O grupo alimentação e bebidas registrou variação de -0,46%, puxado por itens como feijão-carioca (-9,24%), óleo de soja (-4,77%), frango em pedaços (-2,64%), carnes (-2,14%) e leite longa vida (-1,86%).

Entre na comunidade do FDR e receba informações gratuitas no seu Whatsapp!