Como assim? MEC pede que INSS e Receita Federal rastreiem estes estudantes

Ministro da Educação confirmou durante entrevista o pedido feito ao INSS e Refeita Federal. Atual governo federal prepara algumas mudanças para programas de responsabilidade do MEC. Entenda melhor a situação!

Como assim? MEC pede que INSS e Receita Federal rastreiem estes estudantes
Como assim? MEC pede que INSS e Receita Federal rastreiem estes estudantes (Imagem: FDR)

Desde que assumiu o posto de ministro da Educação, Camilo Santana, vem anunciando algumas mudanças e melhoras. A última decisão do MEC foi por fim nas escolas cívico-militares; agora, um pedido feito ao INSS e Receita Federal aponta para mais uma novidade.

O pedido foi confirmado pelo ministro durante uma entrevista à GloboNews.

Inadimplência no FIES

O Fundo de Financiamento Estudantil chegou a ter 700 mil novos contratos em seu auge; agora, apenas 50 mil novos contratos são firmados anualmente.

Um dos fatores dessa redução é o fato de que atualmente o FIES não financia 100% do curso; aliado a isso está o fato de que o programa enfrenta um alto endividamento. É justamente esse um dos pontos que o ministro da educação tem se debruçado atualmente.

“O Fies deixou de ser um programa social para ser um programa financeiro. (…) O Fies vai voltar a ser um programa social e vai ter um novo programa de renegociação das dívidas porque grande parte [dos alunos] estão endividados”, comentou o ministro.

Mas, antes que esse ‘Fies Repaginado’ seja efetivado, uma análise cuidadosa deve ser feita. Por isso, o MEC pediu que dados aos INSS e Receita Federal.

“O que fizemos: pedimos os dados do INSS e da Receita Federal para cruzar informações porque nem as informações a gente tinha em relação ao tipo da dívida, ao tipo de devedor, para saber se essa pessoa não pagava porque não queria ou porque não podia“, explicou o ministro.

Ou seja, o MEC quer entender se os usuários do FIES estão nessa situação de inadimplência por estarem, por exemplo, recebendo benefícios do INSS.

Ainda não se sabe quando esse modelo de programa estará disponível; mas, segundo as informações, o novo FIES deve possibilitar o financiamento de 100% do curso. Além de possibilitar a renegociação das parcelas em atraso até dezembro de 2022.

Jamille NovaesJamille Novaes
Baiana, formada em Letras Vernáculas pela UESB, pós-graduada em Gestão da Educação pela Uninassau. Apaixonada por produção textual, já trabalhou como corretora de redação, professora de língua portuguesa e literatura. Atualmente se dedica ao FDR e a sua segunda graduação.
Sair da versão mobile