Crédito IMOBILIÁRIO passa a ser nova estratégia de INVESTIDORES

Fazer investimentos é uma ótima opção para aplicar o dinheiro e assim obter ótimos retornos. Porém, para isso é preciso saber exatamente onde é possível obter bons resultados, assim como os possíveis riscos.

Crédito IMOBILIÁRIO passa a ser nova estratégia de INVESTIDORES
Crédito IMOBILIÁRIO passa a ser nova estratégia de INVESTIDORES (Imagem: Montagem/FDR)

Com a taxa Selic em 13,75%, os retornos em investimentos com crédito imobiliário chegam a mais de 13% ano. Enquanto isso, os investidores pagam menos de 10% ao ano em juros do financiamento de imóveis. 

Diante disso, o investimento no crédito imobiliário tornou-se uma movimentação muito vantajosa. Contradizendo o que geralmente é recomendado, comprar à vista neste momento não está sendo melhor do que comprar a prazo.

Considerando a alta taxa da Selic, pessoas com alta renda estão fazendo financiamento imobiliário como estratégia de investimento. Assim, ao invés de comprar as residências à vista, eles deixam o dinheiro em aplicações.

A taxa Selic subiu de 2% para 13,75% ao ano nos últimos 16 meses. Em contrapartida, as taxas do crédito imobiliário tiveram um reajuste modesto de 2,5%. Assim, passou de 7% para 9,5% ao ano.

Essa taxa é baseada nos juros aplicados nos cinco maiores bancos: Caixa, Bradesco, Itaú, Banco do Brasil e Santander. Diante desse cenário, a estratégia dos investidores é aproveitar os juros para adquirir os bens parceladamente.

Financiamento de Imóvel pela CAIXA usando FGTS (TUDO o que ninguém conta!)

Créditos imobiliários são bons investimentos?

 “A gente vive hoje num cenário em que existe a possibilidade de o cliente tomar crédito imobiliário numa taxa prefixada de 11,52%, por exemplo, em 120 meses. Ao mesmo tempo, ele realiza uma operação de renda fixa de 13%, até 14% ao ano, dependendo do prazo”, afirma Guto Miranda, Diretor Global do Bradesco.

Assim, é notável que investir o dinheiro ao invés de comprar o imóvel fará a quantia render muito mais. Além disso, mesmo pagando no prazo, o imóvel adquirido continua a valorizar, fazendo com que tenha dois investimentos.

Esse tipo de negócio é vantajoso para os consumidores e para os bancos. Isso porque, os clientes conseguem investir, ao mesmo tempo, nos mercados financeiro e imobiliário. Já os bancos ganham no crédito e no investimento.

De acordo com Sérgio Granado, superintendente de produtos do Santander Private Banking, mesmo com um prazo de até 35 anos, a média de quitação do crédito imobiliário é de 5 anos.

“Porque ao longo do tempo, o cliente vai recebendo liquidez de outros investimentos que vão vencendo ou da venda de participação de alguma empresa. E quando ele gera fluxo de caixa, amortiza a dívida rapidamente”, explica o executivo do Santander.

Glaucia AlvesGlaucia Alves
Formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar na equipe do FDR, produzindo conteúdo sobre finanças e carreira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência.
Sair da versão mobile