Golpe do Motoboy movimentou quase R$ 2 milhões. Entenda o esquema

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) expediu mandados de prisão que foram cumpridos no Rio de Janeiro, na última quarta-feira (31). Os suspeitos de aplicar o golpe do Motoboy exibia vida de luxo. 

Golpe do Motoboy movimentou quase R$ 2 milhões. Entenda o esquema
Golpe do Motoboy movimentou quase R$ 2 milhões. Entenda o esquema (Imagem: Montagem/FDR)

Entre os dias 25 e 29 de julho, só na capital brasileira quatro vítimas foram alvo do golpe do Motoboy. Ao todo, os criminosos conseguiram roubar R$ 200 mil em apenas cinco dias. As investigações começaram após uma idosa de 82 anos, moradora do Lago Sul, ser vítima do golpe e perder R$ 15 mil. 

Os suspeitos têm entre 25 e 42 anos e moram no Rio de Janeiro. Por esse motivo, a Polícia Civil do DF contou com a ajuda da PC do RJ. Esta realizou quatro mandados de prisão preventiva e seis de busca e apreensão.

As prisões têm como objetivo coibir a ação de suspeitos de aplicar o “golpe do motoboy”. Segundo a Polícia Civil, os quatro presos irão responder por associação criminosa, lavagem de dinheiro e estelionato.

De acordo com a polícia, os criminosos ostentavam nas redes sociais uma vida de alto padrão, com viagens nacionais e internacionais e hospedagens em hotéis de luxo. As investigações mostraram que em oito meses, os suspeitos movimentaram cerca de R$ 1,8 milhão com o crime

Como funcionava o golpe do Motoboy

No golpe do Motoboy, os criminosos ligavam para as vítimas, geralmente idosos, fingindo  ser funcionários de banco. Estes se identificavam como da central de segurança e solicitavam a confirmação de uma compra suspeita realizada no cartão de crédito.

Como a compra era inventada, as vítimas negavam o reconhecimento da despesa. Assim, os criminosos alegavam que o cartão tinha sido clonado. Após isso, orientavam a realização do bloqueio do cartão, por meio de ligação.

O número fornecido para a ação era fornecido pelos golpistas que também atendiam a ligação da vítima. Nessa ligação, para efetuar o bloqueio, era solicitado a senha do cartão. Por fim, informavam que um funcionário do banco iria até a residência coletar o cartão.

Assim, os criminosos conseguiam ter acesso aos dados bancários das vítimas. Com o cartão em mãos, realizavam transações usando máquinas de cartão cadastradas em nome de empresas de fachada ou no CPF de “laranjas”.

Entre na comunidade do FDR e receba informações gratuitas no seu Whatsapp!

Glaucia AlvesGlaucia Alves
Formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar na equipe do FDR, produzindo conteúdo sobre finanças e carreira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência.