Bolsonaro afirma que a gasolina vai ficar R$ 2,00 mais barata; entenda

A alta dos combustíveis se tornou a principal pauta de reclamação nos últimos meses. Desde 2021, derivados como a gasolina passaram por reajustes significativos. O combustível atingiu a marca de R$ 7 em algumas regiões. 

publicidade
Bolsonaro afirma que a gasolina vai ficar R$ 2,00 mais barata; entenda
Bolsonaro afirma que a gasolina vai ficar R$ 2,00 mais barata; entenda. (Imagem: Montagem/FDR)

Em um comunicado recente, o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou que a gasolina poderá ficar até R$ 2 mais barata na venda do litro. O diesel poderá ser vendido a R$ 1 a menos na média atual. 

Em entrevista concedida à CBN Recife, Bolsonaro destacou que os preços dos combustíveis continuam em alta em decorrência dos efeitos da guerra entre a Rússia e a Ucrânia que já percorre por mais de 100 dias. Nesta semana notou-se a queda no preço da gasolina em várias localidades.

publicidade

Em Belo Horizonte, por exemplo, o litro da gasolina caiu de R$ 7,69 para R$ 7,49 em um posto situado na Avenida Raja Gabaglia. Em outro, localizado em Padre Eustáquio, na região Noroeste da metrópole mineira, a cobrança foi reduzida para R$ 7,14

No Rio de Janeiro, o preço da gasolina nas bombas caiu após a adesão do Estado à redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis. A queda observada foi de menos R$ 0,69 por litro. Assim, o preço do combustível caiu, em média, de R$ 7,74 para R$ 7,69.

Veja a variação média de queda nos Estados entre 24 a 28 de junho:

  • Amapá: -7,15%;
  • Acre: -6,74%;
  • Paraná: -6,5%;
  • Santa Catarina: -6,48%;
  • Roraima: – 4,42%;
  • Pernambuco: -4,11%;
  • Distrito Federal: -3,76%;
  • Mato Grosso do Sul: -3,41%;
  • São Paulo: -3,06%;
  • Ceará: – 3%;
  • Sergipe: -2,52%;
  • Rio Grande do Sul: -2,26%;
  • Goiás: -2,2%;
  • Rio de Janeiro: -1,91%;
  • Rio Grande do Norte: -1,77%;
  • Amazonas: -1,57%;
  • Alagoas: -1,39%;
  • Pará: -1,17%;
  • Minas Gerais: -1,15%;
  • Rondônia:-1,06%;
  • Espírito Santo: -0,93%;
  • Bahia: -0,81%;
  • Tocantins: -0,70%;
  • Piauí: -0,63%;
  • Mato Grosso: -0,48%;
  • Paraíba: 0,08%;
  • Maranhão: 1,54%.

PEC dos Combustíveis influencia redução da gasolina

A PEC dos combustíveis foi apresentada pelo deputado federal Christino Áureo, embora seja originalmente uma aposta feita pelo Palácio do Planalto a curto prazo. A intenção era para que a medida fosse apresentada pelo próprio presidente da República, Jair Bolsonaro, o que não aconteceu devido a pressão feita pelo Ministério da Economia, transferindo essa responsabilidade para o Congresso Nacional.

Se o texto da PEC dos combustíveis for aprovado sem emendas, os Estados, Municípios e a União estarão autorizados a reduzirem os impostos incidentes sobre os combustíveis até 2023. A justificativa para esta alternativa está relacionada aos efeitos da pandemia e da taxa inflacionária, que resultaram no aumento dos combustíveis. 

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

Neste sentido, a economista Juliana Damasceno, explica que, a medida envolve tributos estaduais, razão pela qual toda e qualquer alteração realizada neste sentido irá impactar amplamente os cofres do Estado, tendo também o poder de reduzir os investimentos.

“O que ninguém olhou é que a medida pode impactar a União, caso os estados recorram a empréstimos ou solicitação de verbas”, destacou.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.