STJ aprova a cobrança de determinados procedimentos nos planos de saúde

Na última quarta-feira (8), a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) aprovou a cobrança dos procedimentos médicos não previstos na lista da ANS pelos planos de saúde.

publicidade

A medida recebeu seis votos a favor dos nove ministros integrantes do STJ. Com isso, a taxação, assim como a desobrigação de cobrir os procedimentos médicos, passa a ser permitida.

Houve protesto em frente à sede do STJ enquanto ocorria a votação. Além disso, artistas e ativistas usaram as redes sociais para manifestar insatisfação diante da medida. Diante disso, a hashtag “Rol Taxativo Mata” ficou entre os assuntos mais comentados no Twitter.

Mesmo assim, não houve nenhum efeito no colegiado que aprovou a ação. O ministro Villas Bôas Cueva apresentou quatro requisitos para garantir a segurança jurídica da taxação. O mesmo havia solicitado a suspensão do julgamento no mês de fevereiro.

publicidade

Como PAGAR MENOS na hora de COMPRAR REMÉDIOS? – YouTube

 

Assim, a votação foi retomada com o placar empatado em 1 a 1. O relator do caso foi o ministro  Luis Felipe Salomão. Ambos votaram a favor da proposta. Veja abaixo os requisitos apresentados por Cueva:

  • A operadora de plano ou seguro de saúde não é obrigada a arcar com pedido de tratamento não constante no rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS);
  • Será possível contratar a cobertura ampliada ou a negociação de aditivo contratual de procedimento;
  • Na situação de esgotamento dos procedimentos listados no rol ou não havendo substituto terapêutico, poderá a cobertura do tratamento indicado pelo médico ou odontólogo.

Nessa última opção, só será aceito caso o tratamento cumpra as seguintes exigências: não tenha sido indeferido pela ANS; tenha eficácia comprovada por órgãos técnicos de renome nacional e estrangeiro; haja, quando possível, o diálogo interinstitucional dos magistrados com experts na área da saúde.

Segundo o ministro Cueva, o rol taxativo tem como intuito garantir a sustentabilidade dos planos de saúde. Com isso, possibilita a previsão de valores para a realização de cálculos embasadores das mensalidades pagas pelos beneficiários.

publicidade

Além de Cueva e Salomão, votaram a favor os ministros Raul Araújo, Maria Isabel Gallotti, Marco Buzzi e Marco Belizze. A ministra Nancy Andrighi e os ministros Moura Ribeiro e Sanseverino foram contra a proposta.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.