Inscrição no Cadastro Único pode garantir um salário social de R$ 1 mil, descontos na conta de luz e mais

Pontos-chave
  • Entenda quem pode se inscrever no Cadastro Único;
  • Inscrições devem ser feitas presencialmente;
  • Veja quais documentos são exigidos.

Governo Federal reforça o uso da sua plataforma social. Nos próximos dias, serão retomados os pagamentos do Vale Gás e do Auxílio Brasil. Para ter acesso a ambos, no entanto, é preciso se inscrever no Cadastro Único. A plataforma vem garantindo um salário de aproximadamente R$ 1 mil para os vulneráveis. Entenda.

Inscrição no Cadastro Único pode garantir um salário social de R$ 1 mil, descontos na conta de luz e mais (Imagem: FDR)
Inscrição no Cadastro Único pode garantir um salário social de R$ 1 mil, descontos na conta de luz e mais (Imagem: FDR)

Se você não tem renda comprovada e está passando por dificuldades financeiras, fique atento. O Cadastro Único pode ser um meio de te garantir um salário social custeado pelo Governo Federal. Ele funciona como uma base de dados que determina o funcionamento das políticas públicas nacionais.

Mas o que é de fato o Cadastro Único e para que ele serve?

O CadÚnico é a plataforma onde o Governo Federal acompanha a situação de população em situação de vulnerabilidade. Ele funciona como uma grande base de dados de modo que as gestões federal, estadual e também municipal consigam entender o quantitativo de cidadãos em baixa renda, nível de escolaridade, quantidade de filhos, etc.

Quem pode se inscrever no Cadastro Único?

  • Famílias com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa;
  • Famílias com renda mensal total de até três salários mínimos;
  • Famílias com renda maior que três salários mínimos, desde que o cadastramento esteja vinculado à inclusão em programas sociais nas três esferas do governo;
  • Pessoas que moram sozinhas – constituem as chamadas famílias unipessoais;
  • Pessoas que vivem em situação de rua — sozinhas ou com a família.

Como se inscrever no Cadastro Único

Inicialmente o cidadão pode fazer um pré-cadastro através do aplicativo do CadÚnico. Nessa etapa, ele vai agendar o dia que será feito o atendimento de sua família onde ele precisará ir presencialmente até um dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) ou em postos de atendimento do Cadastro Único e do Programa Bolsa Família no seu município.

Ao comparecer no local, deve apresentar os seguintes documentos:

  • Certidão de Nascimento;
  • Certidão de Casamento;
  • CPF;
  • Carteira de Identidade – RG;
  • Carteira de Trabalho;
  • Título de Eleitor;
  • Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI) – somente se a pessoa for indígena.

É válido ressaltar que cada família tem apenas um parente como o titular responsável. Essa pessoa precisa ter ao menos 16 anos, ter CPF ou título de eleitor e ser, preferencialmente, mulher. Essa pessoa, para o Cadastro Único, é chamada de responsável familiar.

Na sequência, será submetido a uma entrevista onde haverão perguntas sobre as seguintes questões: quem faz parte da família, características do domicílio, despesas, se há pessoas com deficiência na família, grau de escolaridade dos integrantes, características de trabalho e remuneração dos integrantes da família e se a família é indígena ou quilombola.

Por fim, todos os dados serão registrados e o agente social dará um retorno em breve sobre a validação do cadastro que pode ser acompanhado pelo app da plataforma.

Benefícios concedidos através do CadÚnico

O governo federal usa o CadÚnico para selecionar os beneficiários dos seguintes programas sociais:

  • Auxílio Brasil
  • Casa Verde e Amarela
  • Aposentadoria para pessoa de baixa renda
  • Bolsa Verde – Programa de Apoio à Conservação Ambiental
  • Carta Social
  • Carteira do Idoso
  • Fomento – Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais
  • Isenção de Taxas em Concursos Públicos
  • Passe Livre para pessoas com deficiência
  • PETI – ​Programa de Erradicação do Trabalho Infantil
  • Programa Brasil Carinhoso
  • Programa de Cisternas
  • Pro Jovem Adolescente
  • Tarifa Social de Energia Elétrica
  • Telefone Popular

Em que situação devo atualizar o meu CadÚnico?

  • Membro da família morreu, se mudou, se casou ou teve filhos
  • Houve alteração na renda familiar
  • Mudança de escola ou membro matriculado pela primeira vez
  • Mudança de endereço da família

Como atualizar os dados do CadÚnico pela internet?

  • Acesse o app ou site. O app está disponível na Play Store e na Apple Store;
  • Algumas opções aparecerão logo na primeira tela. É preciso clicar em “Atualização cadastral por confirmação”;
  • O usuário deverá fazer login com o CPF e a senha da conta Gov.br (veja como criar uma conta Gov.br);
  • Serão mostrados os blocos de Endereço da Família e Composição Familiar. Recomenda-se começar pelo bloco de Endereço da Família e depois passar ao de Composição Familiar. O usuário deverá conferir se todas as informações apresentadas continuam inalteradas;
  • No bloco de Composição Familiar, o usuário será questionado se houve alteração no número de membros da família. Em seguida, será preciso confirmar se os dados relativos a cada membro continuam os mesmos;
  • O usuário deverá, então, selecionar a opção em que confirma a veracidade dos dados informados;
  • Por fim, será preciso clicar no botão “Confirmar dados do Cadastro Único”.

Entre na comunidade do FDR e receba informações gratuitas no seu Whatsapp!

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Mestre em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Atualmente se divide entre a edição do Portal FDR e a sala de aula. - Como jornalista, trabalha com foco na produção e edição de notícias relacionadas às políticas públicas sociais. Começou no FDR há três anos, ainda durante a graduação, no papel de redatora. Com o passar dos anos, foi se qualificando de modo que chegasse à edição. Atualmente é também responsável pela produção de entrevistas exclusivas que objetivam esclarecer dúvidas sobre direitos e benefícios do povo brasileiro. - Além do FDR, já trabalhou como coordenadora em assessoria de comunicação e também como assessora. Na sua cartela de clientes estavam marcas como o Grupo Pão de Açúcar, Assaí, Heineken, Colégio Motivo, shoppings da Região Metropolitana do Recife, entre outros. Possuí experiência em assessoria pública, sendo estagiária da Agência de Desenvolvimento Econômico do Estado de Pernambuco durante um ano. Foi repórter do jornal Diário de Pernambuco e passou por demais estágios trabalhando com redes sociais, cobertura de eventos e mais. - Na universidade, desenvolve pesquisas conectadas às temáticas sociais. No mestrado, trabalhou com a Análise Crítica do Discurso observando o funcionamento do parque urbano tecnológico Porto Digital enquanto uma política pública social no Bairro do Recife (PE). Atualmente compõe o corpo docente da Faculdade Santa Helena e dedica-se aos estudos da ACD juntamente com o grupo Center Of Discourse, fundado pelo professor Teun Van Dijk.