Investimentos de baixo risco estão pagando até 15,5% ao ano; saiba como encontrá-los

Pontos-chave
  • Diversas instituições oferecem CDBs com altos rendimentos;
  • Existem CDBs que pagam acima de 100% do CDI;
  • Os papéis de renda fixa pós-fixados são altamente favorecidos pela alta da Selic.

No dia 4 de maio, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central aumentou a taxa Selic de 11,75% ao ano para 12,75% ao ano. Com isso, a taxa básica de juros chegou ao maior nível em mais de cinco anos. Este cenário tem favorecido os investimentos mais conservadores.

Investimentos de baixo risco estão pagando até 15,5% ao ano; saiba como encontrá-los
Investimentos de baixo risco estão pagando até 15,5% ao ano; saiba como encontrá-los (Imagem: Montagem/FDR)

Diante do aumento da Selic, e sinais de que o Copom promoverá mais altas para a taxa básica de juros, passou a haver um novo ajuste nos retornos proporcionadas por papéis de renda fixa — principalmente os pós-fixados.

Entre os Certificados de Depósito Bancário (CDBs), o retorno chega a até 122% do CDI, de acordo com dados da Quantum Finance, empresa de soluções para o mercado financeiro, a pedido do InfoMoney. Vale destacar que esses números não consideram a dedução de Imposto de Renda.

Segundo o levantamento, o CDB que oferece esse retorno é um papel emitido pelo Banco Master, com vencimento em 12 meses.

A instituição tem classificação de risco (rating) do tipo BBB-. De acordo com a agência Fitch Ratings, esse grau é considerado de boa qualidade. A Quantum Finance coletou os dados entre os dias 24 de abril e 6 de maio.

A pesquisa também indicou que melhorou o juro concedido por CDBs pós-fixados atrelados ao CDI de curto prazo — como três meses. Por um papel desse tipo, a rentabilidade máxima bruta chegou a 106,75% do CDI.

Neste caso, o emissor era o Banco PAN, que tem classificação de risco de crédito nacional de longo prazo AAA, conforme a Fitch Ratings. Este rating é considerado o segundo maior nível de qualidade da agência.

Com indexador DI, estes são os retornos brutos de CDBs indexados ao CDI, segundo prazos distintos:

  • Banco PAN: taxa máxima de 106,75% (prazo de 3 meses)
  • Banco BTG Pactual: taxa máxima de 105,75% (prazo de 6 meses)
  • Banco Master: taxa máxima de 122,00% (prazo de 12 meses)
  • BRK Financeira: taxa máxima de 120,00% (prazo de 24 meses)
  • Sinoserra Financeira: taxa máxima de 118,00% (prazo de 36+ meses)

CDBs atrelados ao IPCA

Diversas casas passam a estimar que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) supere os 10% neste ano. Em meio a isso, CDBs com retornos atrelada ao indicador também subiram nos 15 dias considerados.

Dentro do levantamento, se destaca o avanço observado nas taxas máximas brutas concedidas por papéis com vencimento a partir de 24 meses. O juro real máximo bruto subiu 14 pontos base (0,14 ponto percentual) em relação aos 15 dias anteriores, saindo de 6,46% para 6,60% ao ano.

Este se trata de um CDB emitido pelo Banco BMG, com rating nacional de longo prazo A, segundo a Fitch Ratings. Isso representa uma qualidade alta.

Um movimento parecido foi observado em CDBs com vencimento a partir de 36 meses. A taxa real máxima bruta chegou a 6,06% ao ano. Este retorno esta acima do visto 15 dias antes, de 5,83%.

O papel com este retorno era emitido pelo Banco BTG Pactual, com rating nacional de longo prazo AA, conforme a Fitch Ratings.

Com indexador de 100% do IPCA, estes são os retornos brutos de CDBs indexados à inflação, segundo prazos distintos:

  • Banco PAN: taxa máxima de 6,10% (prazo de 12 meses)
  • Banco BMG: taxa máxima de 6,60% (prazo de 24 meses)
  • Banco BTG Pactual: taxa máxima de 6,06% (prazo de 36+ meses)
Os CDBs são aplicações que oferecem mais segurança em relação à renda variável
Os CDBs são aplicações que oferecem mais segurança em relação à renda variável (Imagem: Montagem/FDR)

CDBs prefixados

Com relação aos papéis com retorno prefixados, os juros apresentam direções distintas. Os papéis de curto prazo, de até 12 meses, registraram alta nos juros proporcionados. Já os títulos com prazo a partir de 24 meses tiveram aumentos em alguns casos — e quedas em outros.

Estes são os retornos brutos de CDBs prefixados, segundo prazos distintos:

  • Banco BTG Pactual: taxa máxima de 13,34% (prazo de 3 meses)
  • Banco BTG Pactual: taxa máxima de 13,62% (prazo de 6 meses)
  • Banco Master: taxa máxima de 19,56% (prazo de 12 meses)
  • Banco Pine: taxa máxima de 13,72% (prazo de 24 meses)
  • Banco BTG Pactual: taxa máxima de 12,40% (prazo de 36+ meses)

Investimentos com CDBs de até 220% do CDI

Mesmo que o levantamento não tenha apurado ofertas exclusivas realizadas por algumas corretoras — com objetivo de atrair clientes —, ao verificar as plataformas de corretoras distintas, o InfoMoney também identificou opções de

CDBs com vencimento em 3 meses que proporcionavam até 220% do CDI.
Este patamar foi oferecido pela Genial, que disponibilizava um CDB do próprio banco, e com liquidez diária. Para comprar esse produto, a pessoa devia respeitar algumas condições.

De modo geral, para investir em CDBs, o interessado deve acessar a plataforma das respectivas instituições — que oferecem essas aplicações. Em cada caso, as regras e formas de aplicação podem mudar.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.