Inflação aumenta o preço dos restaurantes em São Paulo; veja a média de reajustes

Comer fora se tornou um ato de luxo, especialmente após a inflação aumentar o preço dos restaurantes. Em São Paulo, cidade metropolitana extremamente agitada, é bastante comum que os trabalhadores busquem bares, restaurantes e lanchonetes para se alimentar durante o dia devido à distância entre a casa e o trabalho. 

Mas ao que tudo indica, a nova denominação de comer fora, pelo menos neste caso, será o hábito de levar marmita para o trabalho que deve ser evidenciado. Este é mais um sinal do cenário caótico no qual a economia do país se encontra, em um momento de desvalorização do salário mínimo enquanto produtos e serviços ficam cada vez mais caros. 

Há tempos, brasileiros vivem para trabalhar e trabalham apenas para se sustentar. Pensamentos do tipo: “Não vou sair este final de semana porque economizo; Não vou pedir um lanche por economizo; Não vou comprar uma roupa nova porque economizo”, infelizmente já se tornaram comuns em meio à inferioridade da classe trabalhadora. 

Nos supermercados, itens como arroz, carne, verduras e legumes ficam cada vez mais caros. Os preços subiram, em média, 30,8% em um ano no Brasil. O reflexo é o encarecimento nos preços cobrados pelos restaurantes que tiveram que aumentar o quilo. José Carlos Bonfim, sócio-proprietário do restaurante Bella Augusta, está preocupado com a situação. 

“Hoje o preço de uma caixa com 20 quilos de filé mignon chega a quase R$ 2 mil. Achei que os valores iam ficar do mesmo jeito com que a gente trabalhava antes [da reabertura]. Eu nem pesquisava muito, porque as carnes tinham um preço padrão, e os clientes não reclamavam. Agora, estou trabalhando para pagar boleto”, comentou em entrevista ao Uol. 

Neste sentido, o Bella Augusta é um dos restaurantes em São Paulo que decidiu fazer promoções para atrair e consolidar clientes. A partir de agora, o consumidor ganha 10% de desconto para quem levar frequentemente, um grupo de quatro ou cinco amigos para almoçar.

Enquanto isso, Zé Carlos se mantém na expectativa de que o negócio possa ser mantido sem a surpresa de um novo fechamento devido à pandemia. 

A poucos quilômetros do Bella Augusta, a Lanchonete e Restaurante da Cidade ganha uma nova gerência, agora comandada por Kátia Marina de Oliveira, na esperança de equilibrar os negócios. Desde que assumiu o estabelecimento, Kátia tomou a iniciativa de cortar todos os gastos que considera supérfluos. Por exemplo, a máquina de café espresso fica desligada para economizar energia. 

Além disso, os preços do menu tiveram um reajuste de 10%. Em contrapartida, as porções de arroz, feijão e batata frita foram reduzidas. “Tivemos que fazer isso para não perder tanto, porque não podemos repassar o custo total para eles”, concluiu. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.