Combustíveis: preço do petróleo volta a disparar após anúncio de novas sanções

As cotações do petróleo chegaram a níveis extremos no mercado internacional neste domingo, 6. As altas são resultado do debate sobre a aplicação de novas sanções do governo norte-americano à Rússia, com o propósito de proibir a importação de petróleo do país que decidiu invadir a Ucrânia. 

Combustíveis: preço do petróleo volta a disparar após anúncio de novas sanções
Combustíveis: preço do petróleo volta a disparar após anúncio de novas sanções. (Imagem: FDR)

De acordo com dados divulgados pela Bloomberg, o barril de petróleo que se sobressai no mercado internacional, atingiu o preço recorde de US$ 139,13, o equivalente a R$ 706,11. A alta foi registrada na noite de ontem após a reabertura dos mercados asiáticos. Como resposta, os investidores temem os possíveis impactos econômicos da guerra entre Rússia e Ucrânia neste setor. 

Nas primeiras horas desta segunda-feira, a commodity oscilava na alta de 8,79%, cuja cotação era de US$ 128,49, o correspondente a R$ 650,63. Diante dessa alta, a expectativa é para que esta seja uma semana com volatilidades intensas nos mercados em virtude dos conflitos na Europa. Este cenário já pode ser observado por meio das principais bolsas asiáticas que já operam com forte queda durante o primeiro pregão da semana.

É o caso da Bolsa de Tóquio que fechou com uma baixa de 2,94%, enquanto as ações apresentavam uma desvalorização média de 4,18% em Hong Kong. A previsão é para que os futuros contratos de índices acionários na Europa apontem perdas aproximadas em 3,4%. 

Equanto o petróleo opera em alta e as bolsas de valores passam por instabilidade, o euro teve uma queda ainda maior do que os registros dos últimos dias. A moeda europeia atingiu o menor patamar em relação ao dólar nos últimos 22 meses, além de ficar abaixo de uma paridade junto ao franco suíço em receio ao início de uma estagflação da Europa. 

A queda do euro superou os 4% desde que a Rússia deu início ao que chama de “operação militar especial” contra a Ucrânia. A mesma situação atinge o rublo, moeda russa, que teve uma queda de 8%, sendo o principal fator para a desvalorização das moedas de outros países europeus. Enquanto as moedas são desvalorizadas, outros insumos sobem drasticamente. 

A alta não se limita ao petróleo, se estendendo para grãos como o trigo e metais como o outro, que ultrapassou a marca de US$ 2 mil a onça. Neste sentido, o secretário de Estado dos Estados Unidos da América (EUA), Anthony Blinken, afirmou que o governo norte-americano está empenhado no debate junto à União Europeia sobre a proibição de importação do petróleo exportado pela Rússia. 

O governo de Joe Biden tenta atuar diante da pressão feita por alguns legisladores americanos que pretendem dar mais um passo em resposta aos ataques provocados pela Rússia contra a Ucrânia.

“Estamos em discussões muito ativas com nossos parceiros europeus sobre a proibição da importação de petróleo russo para nossos países, enquanto, é claro, mantemos um fornecimento global estável de petróleo”, informou Blinken.

É importante destacar que o preço do petróleo já disparou mais de 20% apenas na última semana, em virtude dos conflitos no leste europeu. Com a intenção de conter essa disparada, novas sanções devem ser aplicadas por países que compõem o G7. O foco deve ser os oligarcas russos que continuam enriquecendo com a ajuda do presidente russo, Vladimir Putin.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.