Eleições 2022: Lula diz que é contra privatizações da Eletrobras e da Petrobras

Nesta quinta-feira (17), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou ser contra a estatização em todos os setores da economia. Apesar disso, o petista argumentou que apenas companhias estratégias devem ter participação do Estado. A declaração foi realizada em entrevista à rádio cearense Progresso FM.

Lula, que lidera as pesquisas para as eleições 2022, disse que planeja fortalecer as companhias estatais, como os Correios e a Eletrobras. Estas companhias vêm passando pelo processo de estatização pelo governo Bolsonaro. Lula também defendeu a Petrobras estatal.

O ex-presidente também criticou a dolarização do valor dos combustíveis no Brasil. Segundo ele, “não tem sentido a gasolina ser internacional”. Ele disse que vai “abrasileirar o preço da gasolina”.

Lula disse que o preço será brasileiro, pois os investimentos serão realizados em real. “A gente vai tirar gasolina e a gente vai aumentar a capacidade de refino”, declara.

O candidato à presidência é a favor de que o país exporte derivados do petróleo — em vez de se concentrar na exportação do petróleo cru.

Segundo ele, “quando nós descobrimos o petróleo [do pré-sal], diziam que a gente não tinha capacidade de explorar, que era muito caro”.

Lula declara que, atualmente, o barril do petróleo tirado do pré-sal equivale ao preço do barril tirado da Arábia Saudita. O motivo disso, conforme Lula, é “porque a Petrobras tem tecnologia”.

Anteriormente, o candidato do PT já tinha dito que, caso seja eleito, acabará com a política de Preço de Paridade de Importação (PPI). Esse modelo foi implantado pela Petrobras a partir de 2016.

Lula deve lançar pré-candidatura para Eleições 2022 em março

Lula ainda declarou que deve lançar sua candidatura por volta de março. Ele ainda defendeu que o ex-governador Geraldo Alckmin seja o vice. O petista alegou ser o responsável pela decisão do vice — e não o partido.

“É uma tentativa de mostrar que não sou candidato do PT. Quero ser candidato de um movimento pela recuperação da democracia do país”, argumenta Lula.

O presidenciável disse que precisará do apoio de diferentes forças políticas. Como exemplo, ele citou o senador Tasso Jereissati (CE). “Não vou consertar sozinho o país”, argumenta.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.