INSS tem novo teto para aposentados; saiba como calcular e conseguir o valor máximo     

Pontos-chave
  • Nesta quinta-feira (20), o governo publicou no Diário Oficial da União a portaria que reajusta os benefícios do INSS;
  • A lei prevê que os benefícios maiores que o salário mínimo sejam reajustados pela variação do INPC do ano anterior;
  • De acordo com a portaria publicada pelo INSS, o teto passou de R$ 6.433,57 a R$ 7.087,22, de acordo com o reajuste de 10,16%;

Nesta quinta-feira (20), o governo publicou no Diário Oficial da União a portaria que reajusta os benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Além disso, o texto defini o novo valor máximo de pagamento efetuado pelo instituto neste ano.

INSS tem novo teto para aposentados; saiba como calcular e conseguir o valor máximo
INSS tem novo teto para aposentados; saiba como calcular e conseguir o valor máximo (Imagem: montagem/FDR)

A lei prevê que os benefícios maiores que o salário mínimo sejam reajustados pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior. Por esse motivo, o reajuste para aposentados e pensionistas nessa situação será de 10,16%.

Porém, esse reajuste só é válido para os aposentados e pensionistas do INSS que estão recebendo os pagamentos em 1º de janeiro de 2021. Assim, quem começou a receber o benefício a partir do mês de fevereiro terá um reajuste menor, proporcional ao tempo de recebimento, como mostra a tabela abaixo:

Início do Recebimento Reajuste
Fevereiro de 2021 9,86%
Março de 2021 8,97%
Abril de 2021 8,04%
Maio de 2021 7,63%
Junho de 2021 6,61%
Julho de 2021 5,97%
Agosto de 2021 4,90%
Setembro de 2021 3,99%
Outubro de 2021 2,75%
Novembro de 2021 1,58%
Dezembro de 2021 0,73%

Porém, os aposentados e pensionistas do INSS que recebem um salário mínimo passarão a receber R$ 1.212, de acordo com o novo piso nacional. Com isso, o aumento será de R$ 112, equivalente a 10,18%.

Novo valor do teto do INSS

Os benefícios concedidos pela Previdência Social têm um limite de pagamento, chamado de teto do INSS. Sendo assim, mesmo que o contribuinte tenha um salário maior que esse teto, o valor da aposentadoria não poderá ultrapassar o limite de pagamento.

INSS tem novo teto para aposentados; saiba como calcular e conseguir o valor máximo
INSS tem novo teto para aposentados; saiba como calcular e conseguir o valor máximo (Imagem: Marcos Rocha/ FDR)

Porém, os trabalhadores que têm direito de receber o adicional de 25%, previsto no art. 45 da Lei n.º 8.213/991, o teto poderá ser ultrapassado. Esse adicional é repassado aos segurados que necessitam de assistência permanente para desempenhar as tarefas do dia a dia. Essa necessidade deverá ser comprovada por perícia médica.

De acordo com a portaria publicada pelo INSS, o teto passou de R$ 6.433,57 a R$ 7.087,22, de acordo com o reajuste de 10,16%. Sendo assim, esse é o novo valor máximo concedido aos segurados em 2022.

Tabela de contribuição do INSS em 2022

Além dos reajustes nos pagamentos dos segurados, a tabela de contribuição também é reajustada. Assim, os trabalhadores ativos que contribuem para o INSS irão pagar as seguintes alíquotas, de acordo com o salário:

Salário de… até Alíquota Parcela a deduzir do INSS
 R$                   –  R$  1.212,00 7,50%  R$                                               –
 R$  1.212,01  R$  2.427,35 9,00%  R$                                     18,18
 R$  2.427,36  R$  3.641,03 12,00%  R$                                     91,00
 R$  3.641,04  R$  7.087,22 14,00%  R$                                  163,82
Limite de contribuição  R$                                 828,39

Como se aposentar com o teto do INSS?

Para receber o teto do INSS é preciso contribuir com 11% do salário. Além disso, é exigido  que, no mínimo, 80% dos seus salários possuam o valor igual ou maior que o limite de pagamento da previdência.

Por fim, o contribuinte precisa decidir se irá solicitar a aposentadoria por idade ou a aposentadoria por tempo de contribuição. Isso porque, o cálculo para essas duas modalidades são diferentes.

Para se aposentar pela idade é necessário ter 65 anos, se homem, e 60 anos, se mulher. Além disso, é preciso ter uma contribuição por 30 anos. A renda é calculada da seguinte forma:

70% do salário de benefício e mais 1% do salário de benefício para cada grupo de 12 contribuições, até o máximo de 100% do salário de benefício. Por exemplo, um segurado com 65 anos de idade e 30 anos de contribuição, com salário de benefício de R$ 1.500,00, deve se calcular 70% desse valor.

Assim, será R$ 1.050,00 (1.500 x 0,7 = 1.050). Após isso, calcula-se os 30%, referentes aos 30 anos de contribuições, sendo R$ 450,00 (1.500 x 0,3 = 450). Por fim, soma-se os dois valores, totalizando R$ 1.500 de renda mensal inicial (1.050 + 450 = 1.500).

Já para a aposentadoria por tempo de contribuição, o segurado deve ter contribuído por 35 anos, se homem, e 30 anos, se mulher. É exigida uma carência de 180 meses de contribuição, ou seja, de 15 anos.

O cálculo da renda mensal inicial desse benefício consiste em 100% do salário de benefício, multiplicado pelo fator previdenciário. Esse deve ser igual ou superior a 1, para receber o valor integral da aposentadoria.

O fator previdenciário foi instituído em 1999, com o intuito de regulamentar o valor da aposentadoria por tempo de contribuição. Esse é um multiplicador que considera a expectativa de vida, tempo de contribuição, idade e uma alíquota fixa de 0,31.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.