Parceria com feirantes possibilita doações de alimentos para famílias sem renda em SP

Em cenário de crise econômica, população de São Paulo recorre aos feirantes em busca por alimentação. Nessa semana, mães e alunos do CEU (Centro Educacional Unificado) Alvarenga foram até um centro comercial, no bairro Pedreira, pedir por doações. O movimento deve acontecer em outras regiões da cidade. Saiba como ajudar.

O fim do ano chegou e com ele milhares de brasileiros deverão sentir os impactos da atual crise econômica. Em São Paulo, a população está indo até as feiras livres pedir por doações de frutas, verduras e legumes. A ação faz parte de um projeto do Conselho de Pais do escolão e objetiva beneficiar os mais pobres.

Feirantes contribuem com doações

Pais e alunos do CEU foram até a feira livre aguardar o fim das vendas para pedir doações dos alimentos que não foram comercializados. De acordo com eles, todas as arrecadações serão repartidas entre as famílias dos alunos que neste momento enfrentam dificuldades para sustentar as casas.

Os feirantes estão apoiando o projeto a partir do diálogo feito com os organizadores. Em entrevista ao UOL, Fernanda Machado, mãe de alunos do CEU, atual líder do conselho, afirmou que se trata de uma medida temporária para sanar a fome.

“Buscamos alguma forma de amenizar o problema. Como não temos verbas, pensamos em fazer essa ponte entre quem pode doar e quem precisa receber“, explicou.

Durante o processo de entrega, os professores estão ajudando os pais a colherem todos os alimentos e fazerem as divisões. A ação espera beneficiar ao menos 40% das famílias da escola, priorizando aquelas em maior situação de vulnerabilidade social.

Famílias contempladas

Faxineira sem carteira assinada, Rosenilda Demacena, de 45 anos, afirma que as doações foram um alívio porque “ajuda a colocar comida na mesa”. A equipe de reportagem do UOL acompanhou o processo de entrega dos alimentos, ouvindo os contemplados.

“Na pandemia foi muito difícil, porque antes aparecia mais trabalho e eu conseguia fazer até R$ 400 por semana [limpando casa]. Agora não chego a fazer isso no mês”, contou Rosenilda.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.