Cesta de Natal mais cara: Confira quais produtos mais influenciaram no aumento do preço

Segundo uma pesquisa da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), sobre o preço dos produtos que compõem a ceia de Natal, houve um aumento de 11,8% em relação ao ano passado, ficando acima da inflação.

Segundo o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fipe, Guilherme Moreira, o principal vilão para o aumento da Cesta de Natal são as carnes, afirmou em entrevista à CNN.

O item é o principal na ceia e está presente também nas demais confraternizações de fim de ano, seja como prato principal ou nos churrascos. Entre as carnes a que teve mais alta foi o filé mignon que registou um aumento de 30,78% em comparação a 2020.

Em segundo lugar ficou o peru, prato típico do Natal, que teve alta de 23,83% no preço em comparação ao mesmo período do ano passado. Além disso, a Cesta de Natal também foi encarecida devido ao aumento de outros itens, como a azeitona verde (23,76%), panetone (21,81%) e o bacalhau (21,27%).

Esses produtos, que são presentes no Natal, foram um dos mais afetados pela inflação dos últimos meses. Veja abaixo os 10 produtos da cesta natalina com maior alta em 2021:

  • Filé Mignon +30,78%;
  • Peru +23,83%;
  • Azeitona verde +23,76%;
  • Panetone +21,81%;
  • Bacalhau +21,27%;
  • Farofa +20,19%;
  • Chester +19,39%;
  • Caixa de Bombom +18,51%;
  • Queijo ralado +16,12%;
  • Palmito Pupunha +13,88%.

De acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação no Brasil no mês de novembro foi de 0,95%. No acumulado do ano a alta já chega a 9,26%. Porém, nos últimos 12 meses o índice que mede a inflação oficial do país registrou uma alta de 10,74%.

Segundo Moreira, “… a maioria desses produtos consumidos passam por etapas industriais. Essa indústria consome energia elétrica, frete de transportes, embalagens, que são elementos que sofreram aumentos e impacta na composição de custos desses itens”.

Além disso, o economista afirmou que os poucos itens da Cesta de Natal que registraram queda no preço neste ano é devido às altas no ano anterior. Exemplo disso é o lombo de porco que teve uma queda de 7,7%, comparado ao mesmo período de 2020.

“A carne suína, em 2020, teve uma grande demanda chinesa e subiu muito o preço. Caiu um pouco esse ano por causa da regularização de lá, mas estava em um patamar muito alto”, declarou Moreira a CNN.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.