Auxílio Brasil de R$ 600? Rejeição de Bolsonaro pode influenciar no aumento do benefício

Popularidade do governo federal declina e isso deve refletir nos benefícios sociais. Neste final de semana, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve reunido com demais políticos aumentando as especulações sobre sua candidatura nas eleições de 2022. Como alternativa, espera-se que Bolsonaro e sua equipe aumente o valor do Auxílio Brasil.

publicidade
Auxílio Brasil de R$ 600? Rejeição de Bolsonaro pode influenciar no aumento do benefício (Imagem: FDR)
Auxílio Brasil de R$ 600? Rejeição de Bolsonaro pode influenciar no aumento do benefício (Imagem: FDR)

O Auxílio Brasil já está em funcionamento, mas isso não significa que ele não deva passar por edições. Diante das possibilidades de uma concorrência com Lula, o atual presidente Jair Bolsonaro vem sendo pressionado pelos políticos do centro para reforçar sua agenda social.

Mudanças no Auxílio Brasil

Atualmente, o governo federal vem concedendo a segunda mensalidade do projeto. Seu primeiro valor, liberado em novembro, foi de R$ 217. Já durante este mês de dezembro houve um reajuste para R$ 400, podendo alguns cidadãos receberem até R$ 1 mil a depender dos abonos extras.

publicidade

No entanto, ainda com tais mudanças, o centrão passou a defender um novo aumento para R$ 600. Trata-se do maior valor concedido no Brasil por meio de um benefício, se igualando as mensalidades iniciais do auxílio emergencial.

A proposta ainda se encontra em análise e, se aprovada, deve ser implementada apenas a partir de fevereiro de 2022. Até lá, Bolsonaro vem entendendo como funcionará sua estratégia de tentativa para a reeleição.

Quem tem direito ao Auxílio Brasil?

  • Famílias em condição de extrema pobreza (renda mensal de até R$ 89 por pessoa, segundo o padrão atual do governo)
  • Famílias em condição de pobreza (renda mensal entre R$ 89 e R$ 178 por pessoa, segundo o padrão atual do governo) com gestantes ou pessoas com idade até 21 anos

Lista dos benefícios do Auxílio Brasil

  • Benefício Primeira Infância: pago às famílias com crianças entre zero e 36 meses incompletos;
  • Benefício Composição Familiar: pago às famílias com jovens até 21 anos;
  • Benefício de Superação da Extrema Pobreza: complemento financeiro para as famílias que recebem benefícios, mas que mesmo assim, a renda familiar per capita não supera a linha de pobreza extrema;
  • Bolsa de Iniciação Científica Junior: 12 parcelas mensais pagas a estudantes beneficiários do Auxílio Brasil com bom desempenho em competições acadêmicas e científicas;
  • Auxílio Criança Cidadã: benefício pago aos chefes de família que consigam emprego e não encontrem vagas em creches para deixar os filhos de 0 a 48 meses;
  • Auxílio Inclusão Produtiva Rural: pago por até 36 meses aos agricultores familiares inscritos no CadÚnico;
  • Auxílio Inclusão Produtiva Urbana: para beneficiários do Auxílio Brasil que comprovem que têm emprego com carteira assinada;
  • Benefício Compensatório de Transição: pago aos atuais beneficiários do Bolsa Família que perderem parte do valor recebido por conta das mudanças trazidas pelo novo programa;
  • Auxílio Esporte Escolar: destinado a estudantes entre 12 e 17 anos que sejam membros de famílias beneficiárias e que se destacarem nos Jogos Escolares Brasileiros.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!