Novo sistema de correção dos atrasados do INSS vai considerar a taxa Selic

Os atrasados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que serão pagos na Justiça devem ser corrigidos pela taxa básica de juros da economia, a chamada Selic. A medida vem de acordo com o determinado na emenda constitucional 113.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade
Novo sistema de correção dos atrasados do INSS vai considerar a taxa Selic
Novo sistema de correção dos atrasados do INSS vai considerar a taxa Selic (Foto: FDR)

Mesmo com a Selic subindo, a nova regra deve diminuir o valor pago para os aposentados e pensionistas que vão ao Judiciário para ter a concessão ou revisão do benefício do INSS. Para especialistas em Previdência, o índice é inconstitucional.

Essa atualização monetária consta na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios que foi em consenso no Congresso e se tornou válida depois da promulgação e publicação da emenda.

publicidade

No qual, ela será aplicada nos precatórios, que são as dívidas judiciais do governo acima de 60 salários mínimos, e também vale para as RPVs (Requisições de Pequeno Valor), de até 60 salários mínimos.

De acordo com a norma, todas as dívidas da Fazenda pública serão atualizadas pela Selic. De acordo com o artigo 3º da lei fica determinado que:

“Nas discussões e nas condenações que envolvam a Fazenda pública, independentemente de sua natureza e para fins de atualização monetária, de remuneração do capital e de compensação da mora, inclusive do precatório, haverá a incidência, uma única vez, até o efetivo pagamento, do índice da taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), acumulado mensalmente”, disse.

O advogado Roberto de Carvalho Santos, presidente do Ieprev (Instituto de Estudos Previdenciários), explicou que a mudança na Constituição altera os índices que vêm sendo pagos hoje, substituindo, inclusive, os juros de mora.

Até o dia 9 de dezembro, os precatórios e RPVs estavam sendo corrigidos pela inflação medida pelo IPCA-E (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial) mais juros de 0,5% ao mês. A partir da emenda, a Selic substitui o índice de inflação e os juros.

Correção é institucional

Para os especialistas em previdência, essa nova correção dos atrasados é inconstitucional, pois se trata de uma taxa de juros que baliza a economia e não é um índice que recompõe o poder de compra dos aposentados e pensionistas do INSS e de demais cidadãos que tenham valores a receber do governo.

publicidade

De acordo com o diretor do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), Emerson Lemes, considerar as novas regras constitucionais desafia o direito de propriedade, pois a taxa Selic não faz a recomposição da perda dos segurados do INSS.

“Trata-se de uma taxa de juros, e juros são devidos como penalidade pela demora (ou atraso) em pagamentos, e não como compensação pela inflação”, afirmou ele.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.