Brasileiro prefere investimentos mais seguros, porém o perfil do investidor já está mudando

Em todo o mundo, os investidores têm se voltado para ativos de alto risco, como as aplicações de renda variável. No Brasil, essa mudança de perfil do investidor também vem sendo observada. O apontamento faz parte do estudo global da gestora britânica Schroders, divulgado pela Exame Invest.

Brasileiro prefere investimentos mais seguros, porém o perfil do investidor já está mudando
Brasileiro prefere investimentos mais seguros, porém o perfil do investidor já está mudando (Imagem: Montagem/FDR)

De acordo com a pesquisa, no Brasil, o percentual de pessoas dispostas a realizar investimentos de alto risco é maior do que a média mundial: 42% contra 37% dos investidores mundiais.

Quase toda a pesquisa foi realizada entre os dias 16 de março e 7 de maio. Ou seja, o levantamento aconteceu antes do período mais forte de alta da taxa Selic. Desde então, a taxa passou de 3,5% ao ano para 9,25% ao ano.

Apesar disso, Daniel Celano, CFA, diretor-presidente da Schroders Brasil, acredita que o resultado do levantamento não teria mudança considerável — mesmo que fosse realizada no momento atual.

Perfil do investidor brasileiro ainda é mais seguro

A pesquisa indica que 60% dos brasileiros ainda preferem os ativos seguros, como a poupança.

À Exame Invest, Celano declara que a alta dos juros possa reduzir um pouco o percentual das pessoas que gostariam de aplicar na renda variável. No entanto, o cenário não alterará significativamente.

Novos investimentos dos brasileiros

Em busca de melhores retornos, muitos estão aplicando em ativos que antes consideravam muito arriscados.

No Brasil, no ano passado, os três principais tipos de ativos, em que as pessoas investiram pela primeira vez, são: criptomoedas (26%), ações ou fundos de ações de empresas de internet e tecnologia (22%) e ações ou fundos de companhias de veículos elétricos (21%).

Projeções de retorno dos brasileiros

No país, o nível mínimo médio de rendimento que os investidores gostariam de receber é de 11,2% ao ano.

Para Daniel Celano, a procura por um maior retorno, acompanhado pela maior propensão a investir em ativos de riscos e em classes mais novas de ativos, é um desenvolvimento na educação do investidor.

Apesar disso, ele declara que “tem que ter a dosagem certa. Não há certo e errado: é necessário entender o risco que está correndo e se o investimento está adequado à estratégia.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.