IPVA 2022 vai pesar mais no seu bolso! Veja boas soluções para quitar o débito

Pontos-chave
  • IPVA 2022 fica mais caro e preocupa motoristas;
  • Imposto teve um reajuste de 30% sem muitas possibilidades de negociação;
  • Especialista traz dicas para como organizar as contas na hora de sanar os tributos.

Brasileiros de preparam para quitar o IPVA 2022 com altos índices de reajuste. O início de um novo ano significa também a renovação das cobranças tributárias. Para quem é dono de algum automóvel a situação é delicada, uma vez em que o IPVA ficará em média 30% mais caro.

IPVA 2022 vai pesar mais no seu bolso! Veja boas soluções para quitar o débito (Imagem: FDR)
IPVA 2022 vai pesar mais no seu bolso! Veja boas soluções para quitar o débito (Imagem: FDR)

O IPVA está na lista dos tributos que devem ser pagos anualmente de forma obrigatória. A inadimplência resulta, na grande maioria das vezes, na impossibilidade de renovação da carteira de habilitação, fazendo com que o cidadão não possa circular em território nacional.

Apesar de ser uma cobrança fixa, o valor do IPVA é corrigido anualmente. A cada 12 meses, os governos estaduais atualizam as tabelas de cobrança com base no preço médio de compra e venda dos veículos.

Por que o IPVA 2022 estará mais caro?

De modo geral, o principal motivo do encarecimento é justamente o alto valor de compra e venda dos veículos. Devido a pandemia do novo coronavírus, os automóveis antigos ficaram super valorizados uma vez em que foi registrada uma baixa na produção de novos modelos.

Isso fez com que a tabela Fipe ficasse atualizada acima da média anual, registrando um encarecimento de 30% no valor total do IPVA.

Como funciona o cálculo do IPVA?

O imposto é tarifado com base na tabela Fipe. Ele leva em consideração o valor do modelo mais barato 0km até o modelo mais caro. Isso faz com que cada tipo de veículo tenha um preço diferente, sendo observada ainda sua data de fabricação.

Com base nessas questões é que os governos estaduais passam a determinar as taxações.

Especialista dá dicas para quitar o IPVA de forma segura

Lucas Palma, diretor de conteúdo do Zul+, conversou com a redação do FDR para explicar as mudanças no IPVA. Abaixo, acompanhe a entrevista exclusiva:

  • Com a alta no valor do IPVA em 2022, vale a pena parcelar o valor total?

Tudo vai depender da situação financeira do motorista. Se você já tiver dinheiro para quitar o IPVA à vista em janeiro, perfeito. Assim você garante o desconto da cota única. Agora, caso o pagamento em uma parcela fique pesado para o seu bolso, o parcelamento é a melhor opção sem sombra de dúvidas, ainda mais com a alta do IPVA em 2022. Então, o motorista pode contar com algumas soluções já disponíveis no mercado como o Zul+. O app permite que você pague o IPVA parcelado com o Governo usando Pix ou em até 12x no cartão de crédito. Tudo de maneira muito simples, rápida e segura para veículos registrados nos estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

  • Os descontos no imposto oferecidos para pagamento em cota única são a melhor opção?

Com a alta do IPVA, o desconto no imposto em cota única pode não fazer mais tanta diferença assim. Em São Paulo e no Paraná, por exemplo, esse desconto é de apenas 3%, quando o IPVA 2022 vem com um aumento de até 30% dependendo do veículo.

Por isso, hoje, considero o parcelamento como a melhor opção para quem não quer se comprometer financeiramente logo no início do ano, visto que o IPVA é um pagamento alto. E esse parcelamento pode até ser de acordo com as cotas do Governo ou em até 12x. As duas possibilidades estão disponíveis no app Zul+.

IPVA 2022 vai pesar mais no seu bolso! Veja boas soluções para quitar o débito (Imagem: FDR)
IPVA 2022 vai pesar mais no seu bolso! Veja boas soluções para quitar o débito (Imagem: FDR)
  • Quando o proprietário não tem recursos para quitação do tributo, ele pode se negar a fazer o pagamento?

Não. No Brasil, todo proprietário do veículo deve pagar o IPVA porque ele é requisito fundamental para o licenciamento anual. Deixar de pagar o IPVA não gera multa de trânsito, mas bloqueia o licenciamento e a emissão do documento do veículo. Dessa forma, quem não tem recursos para a quitação do tributo precisa entender qual a melhor forma de deixar as contas do carro em dia.

Deixa o imposto atrasar para só depois negociar o pagamento com a Procuradoria Geral do Estado? Melhor não porque o IPVA atrasado rende juros diários e suja o nome do proprietário. Por isso, a recomendação é o parcelamento do tributo com as soluções disponíveis no mercado, como o Zul+.

  • Existe a possibilidade de quitar os débitos do IPVA com cartão de crédito? Se sim, essa é uma boa opção?

Sim! É possível quitar o IPVA, multas e até mesmo o licenciamento usando o cartão de crédito. Nesse caso, o motorista deve procurar empresas, como o Zul+, que permitam o pagamento de todos esses débitos em até 12x ou à vista usando Pix. Essa é a melhor opção para quem não estava tão preparado assim para pagar o IPVA em cota única.

  • Afinal, por que os veículos seminovos e novos sofreram tanta valorização? E como isso afeta diretamente os impostos?

Escassez de carros 0km no mercado por falta de semicondutores eletrônicos e alta demanda por veículos próprios durante a pandemia são as principais razões para valorização dos automóveis aqui no Brasil. Dependendo do modelo, esse aumento no valor de mercado ultrapassa até os 30%.

E essa valorização impacta diretamente o IPVA, que é cobrado a partir de uma alíquota sobre o valor de venda do veículo. Com os carros mais caros, o IPVA também fica mais caro.

 

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.