Quais são os beneficiários mais prejudicados com a fila de espera do INSS?

A fila de espera do INSS continua sendo um impasse que até o momento a autarquia não conseguiu resolver. Cerca de 1,8 milhão de segurados permanecem na espera pela concessão do benefício previdenciário. O número estimado foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP). 

Quais são os beneficiários mais prejudicados com a fila de espera do INSS?
Quais são os beneficiários mais prejudicados com a fila de espera do INSS? (Imagem: FDR)

Na realidade, são 1.838.459 pedidos em análise para serem liberados. O número aponta que desde o ano passado, basicamente não houve uma redução expressiva da fila de espera do INSS. Em 2020, este número era composto por 1,5 milhão de pedidos. 

Uma das justificativas vinculadas à fila de espera do INSS é o fechamento das agências da Previdência Social durante o período mais crítico da pandemia da Covid-19.

Mas não para por aí, a escassez de servidores públicos em atuação das agências do INSS também é um ponto crucial que atrapalhou o fluxo de análises.

Em sua grande maioria, este número é composto por pedidos relacionados ao auxílio doença e à aposentadoria por invalidez, os dois benefícios que lideram a fila de espera do INSS. A composição está relacionada a um critério específico para a concessão destes benefícios, trata-se da perícia médica. 

A perícia médica do INSS é o procedimento ao qual o segurado deve se submeter para que o médico perito designado pelo INSS possa avaliar se a incapacidade alegada realmente existe e está em condições críticas que permitam a liberação do benefício.

Os benefícios por incapacidade são aqueles nos quais os trabalhadores sofrem de alguma doença ou sofreram algum acidente que deixaram sequelas a um nível moderado ou extremo, que o impeça de realizar as atividades laborais. Devido à minuciosidade deste modelo, é essencial que a perícia médica seja realizada. 

Em justificativa, o ex-presidente do INSS, Leonardo Rolim, alegou que a demora na análise e concessão dos benefícios é proveniente dos dos seis meses em que as agências do INSS por todo o país ficaram fechadas.

Hoje, apesar do retorno do atendimento presencial, os procedimentos ocorrem em meio a várias restrições relacionadas ao combate da pandemia da Covid-19. 

O crescimento constante e estagnação nas análises provém de problemas estruturais devido à falta de investimento na autarquia. Isso acontece porque as agências da Previdência Social sofrem com a falta de pessoal o suficiente para atender a ampla demanda junto a um sistema deficiente que apresenta falhas constantes. 

Antes de ser demitido do cargo, Leonardo Rolim havia traçado uma meta para sanar o problema da fila de espera até o final deste ano. Na situação específica do Benefício de Prestação Continuada (BPC), o fluxo de análises e concessões deve ser regularizado no decorrer de 2022.

O prazo estendido se deve à complexidade dos critérios de elegibilidade do benefício junto ao acúmulo de pedidos vinculados à documentação da perícia médica.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.