Desaprovação do governo Bolsonaro sobe para 56% com altas na inflação

Popularidade de Bolsonaro está em declínio. Nessa semana, uma pesquisa do Genial/Quaest divulgou os indicativos das eleições de 2022. Segundo o estudo, o atual presidente conta com 56% de reprovação. O principal motivo é o avanço da inflação e volta do Brasil ao mapa da fome.

Desaprovação do governo Bolsonaro sobe para 56% com altas na inflação (Imagem: FDR)
Desaprovação do governo Bolsonaro sobe para 56% com altas na inflação (Imagem: FDR)

A gestão de Bolsonaro está cada vez mais próxima do fim. Diante das pesquisas eleitorais, espera-se que o atual chefe de estado não consiga garantir sua reeleição no próximo ano. Sua reprovação subiu de 53% para 56%, enquanto a aprovação oscilou entre 20% e 19%.

Possibilidades de reeleição

No que diz respeito as eleições de 2022, 69% dos entrevistados afirmaram não serem favoráveis a um novo mandato de Bolsonaro. Em agosto, o número era equivalente a 15%, já outros 52% defendiam a permanência.

No entanto, com os impactos da atual crise econômica esses índices foram reajustados significativamente. A pesquisa mostrou ainda que a deterioração da econômica está entre os assuntos mais criticados pela população.

Para 73% dos entrevistados, a economia piorou. Já 66% consideram que a desigualdade de renda aumentou e 48% afirmam que o cenário macroeconômico é o maior problema do País.

Para apontar os números, foram escutadas 2.063 de 123 municípios, durante os dias 3 e 6 de novembro.

Liderança presidencial em 2022

Para os candidatos do próximo ano, quem conta com o maior apoio até o momento é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tem 50% de aprovação e pode ganhar ainda no primeiro turno.

Espera-se ainda as candidaturas de João Dória com 6%, Sérgio Moro com 8% e brancos e nulos com 10%. Por fim, os indecisos representam 4%.

De modo geral, analistas políticos afirmam que a principal disputa será entre Lula e Bolsonaro. Ciente de tal concorrência, o atual chefe de estado vem buscando estreitar laços com as populações de baixa renda por meio da implementação do Auxílio Brasil.

É válido ressaltar, no entanto, que Lula firmou sua marca enquanto o político que tirou o Brasil do mapa da fome e por aprovar a concessão dos principais projetos sociais do país.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.