Por que a criação do Auxílio Brasil como novo Bolsa Família pode ajudar Bolsonaro?

Pontos-chave
  • Bolsonaro usa novo programa social como estratégia eleitoral;
  • Desmonte das políticas públicas sociais se caracteriza no atual governo;
  • Eleições 2022 será entre Bolsonaro e Lula.

Novo projeto social brasileiro pode afetar o resultado das eleições presidenciais de 2022. Nessa semana, Jair Bolsonaro anunciou um reajuste na mensalidade do Auxílio Brasil, que substituirá o Bolsa Família. Seus segurados terão acesso a um abono de R$ 400. Como isso impacta na gestão federal? Entenda abaixo.

Por que a criação do Auxílio Brasil como novo Bolsa Família pode ajudar Bolsonaro? (Imagem: Marcos Rocha/ FDR)
Por que a criação do Auxílio Brasil como novo Bolsa Família pode ajudar Bolsonaro? (Imagem: Marcos Rocha/ FDR)

A implementação do Auxílio Brasil virou motivo de análise política. Diversos especialistas vêm comentando que o projeto tem sido utilizado por Bolsonaro como uma estratégia de manipulação do poder.

Através da concessão do abono de R$ 400, o gestor espera manter o voto dos 17 milhões de segurados nas eleições de 2022.

O que está por trás do Auxílio Brasil?

Sob a prerrogativa de implementar um programa social que reduza a miséria, Bolsonaro vem tentando acabar com todos os projetos sociais implementados pelas gestões do PT.

A principal motivação para tal feito é a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente que tirou o país do mapa da fome, reconhecido mundialmente por sua atuação social.

O primeiro passo de Bolsonaro no desmonte das políticas públicas do PT foi o fim do Minha Casa Minha Vida. Com a criação do Casa Verde e Amarela o atual chefe de estado apenas mudou o nome do programa e reduziu o numero de pobres com acesso ao financiamento da casa própria.

No entanto, para a imprensa e o empresariado, o presidente vende a proposta como uma alternativa impecável com a menor taxa de juros da história. Os pobres, por sua vez, não têm acesso as informações totais do novo projeto e se iludem acreditando estarem inclusos na pasta, sem a menor possibilidade de solicitarem um financiamento diante desse cenário de crise.

Já com o Auxílio Brasil o que se pode receber é o forte interesse de Bolsonaro de acabar com a marca do Bolsa Família. O programa foi amplamente desenvolvido na gestão de Lula, sendo reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) em seu combate contra a fome.

Ciente da popularidade de Lula com os brasileiros de baixa renda, o atual presidente deu início a sua estratégia de desmonte.

Fases incompletas do Auxílio Brasil

Antes da proposta ter esse nome, Bolsonaro lançou o programa Renda Brasil. Ele teria a mesma finalidade que o atual projeto, acabar com o nome do Bolsa Família. Sua implementação foi debatida ao longo do primeiro semestre de 2020, mas não foi adotado por ultrapassar o teto orçamentário.

Na sequencia surgiu a proposta de criação do Renda Cidadã, também com o mesmo propósito. A ideia era conceder mensalidades para os brasileiros vulneráveis, sem que esse repasse ocorresse pelo Bolsa Família. Novamente ultrapassando o teto fiscal o programa não foi aprovado.

Agora, com o fim do auxílio emergencial, Bolsonaro voltou a ser pressionado para criar um programa social. Em vez de ampliar a atuação do Bolsa Família, ele congelou as filas de entrada no projeto, fazendo com que mais de 100 mil pessoas estivessem aguardando a aprovação há mais de 10 meses.

Na contrapartida, anunciou o intitulado Auxílio Brasil. A diferença desse para os programas acima é que foram anunciados os benefícios dentro da pasta. Os segurados teriam acesso há alguns abonos que completariam a mensalidade inicial de R$ 300, depois reajustada para R$ 400.

Contudo, é de se esperar que o Auxílio Brasil também não seja provado. Além de apenas mudar o nome dos programas, o governo não se preocupou em organizar as próprias finanças para custear a implementação.

Para responsabilizar o fracasso do novo projeto, o Congresso Nacional passou a ser atacado como o vilão que não quer abrir uma brecha o teto fiscal para ajudar os mais pobres. O que se pode perceber é que Bolsonaro vem fracassando em sua agenda social que tem como único proposito favorecer a si mesmo.

Diante de tais fatos ainda não é possível entender como se sustentarão as milhares de famílias que aguardam o auxílio de um governo completamente instável e irresponsável em uma das maiores crises social, sanitária e econômica da história do país.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.