Reajuste do IOF até dezembro vai impactar o bolso de quais brasileiros?

O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto para aumentar a alíquota do Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Imobiliários (IOF), relacionados às operações de crédito para pessoas físicas e jurídicas. O reajuste do IOF valerá até 31 de dezembro deste ano.

Reajuste do IOF até dezembro vai impactar o bolso de quais brasileiros?
Reajuste do IOF até dezembro vai impactar o bolso de quais brasileiros? (Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Para as pessoas físicas, a alíquota diária passa de 0,0082% (referente à alíquota anual de 3,0%) para 0,01118% (referente à alíquota de 4,08%). Já para as pessoas jurídicas, a alíquota passa de 0,0041% (referente à alíquota anual de 1,50%) para 0,00559% (referente à alíquota de 2,04%).

Segundo as regras vigentes, a cobrança máxima do tributo é de 6% ao ano para pessoa física e 3% para pessoa jurídica.

De acordo com o governo, a medida gerará um aumento de arrecadação estimado em R$ 2,14 bilhões. Também foi informado que o valor permitirá a ampliação do valor destinado ao Auxílio Brasil. Este programa social está previsto para substituir o Bolsa Família.

Possível impacto do reajuste do IOF até dezembro

Por conta dessa medida, o crédito das pessoas físicas se tornará ainda mais caro. Assim, haverá maior cobrança em empréstimo consignado, financiamentos, despesas com cartão de crédito e cheque especial.

Ao Extra, o economista Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor-executivo da Associação Nacional de Executivos de Finanças (Anefac), entende que essa elevação foi uma “péssima” decisão. Ele cita o cenário em que endividamento está muito alto e os juros já aumentaram nos últimos sete meses.

Em termos práticos, ele explica que o IOF incide por cada dia contratado até 360 dias. Mesmo que as alíquotas fixadas sejam anuais, elas possuem aplicação proporcional ao número de dias da operação.

Para quem está endividado, a elevação do IOF pode tornar mais difícil a vida das pessoas endividadas. Conforme a Pesquisa de Endividamento do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), 72,9% das famílias do país estavam com dívidas em atraso em agosto. Este foi um novo recorde mensal.

Na perspectiva da economista responsável pela pesquisa, Izis Ferreira, mesmo que a inadimplência permaneça estável, o aumento dos juros eleva o risco de o indicador piorar futuramente.

Vale destacar que, além das pessoas físicas, o reajuste também causará impacto negativo no crédito das empresas.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do FDR produzindo conteúdo sobre economia.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA