Crescem expectativas da 3ª dose da vacina após Israel confirmar eficácia

A decisão de Israel em aplicar a terceira dose da vacina contra a Covid-19 tem inspirado o Brasil a promover o reforço vacinal. A ação consiste em um complemento na imunização de idosos com 60 anos ou mais, considerando que é um dos principais grupos de risco da doença. 

Crescem expectativas da 3ª dose da vacina após Israel confirmar eficácia
Crescem expectativas da 3ª dose da vacina após Israel confirmar eficácia. (Imagem: BBC News)

No último domingo, 22, o Ministério da Saúde publicou os resultados de uma pesquisa que compara a eficácia da vacina em pessoas que receberam apenas as duas doses padrão e naqueles que receberam a terceira dose de reforço. Nota-se que no segundo caso a imunização torna-se mais segura. 

Embora os detalhes da pesquisa não tenham sido divulgados, é possível observar que os resultados obtidos se assemelham aos índices relatados pelo grupo de saúde Maccabi na última semana.

O grupo é apenas um dos vários que têm se esforçado para estabelecer medidas de reforço e contenção à proliferação da variante Delta da Covid-19. 

De acordo com o levantamento feito pelo Instituto Gertner de Israel eKl Institute, a aplicação da terceira dose da vacina em adultos com 60 anos ou mais dez dias após a segunda etapa do cronograma vacinal se mostrou quatro vez mais eficaz que apenas as duas doses, como determinadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

É importante ressaltar que a dose um e dois da vacina é o modelo padrão da maioria dos imunizantes no mercado. 

Mas vale lembrar da existência da vacina da Janssen, produzida pela Johnson & Johnson, que promete imunização em dose única. Portanto, no que compete exclusivamente a essa marca de imunizante, nada foi dito até o momento sobre uma segunda dose, neste caso. 

No Brasil, os estudos referentes à viabilidade de uma terceira dose têm sido concentrados em torno da CoronaVac, com o apoio de uma pesquisadora brasileira que atua na Universidade de Oxford, Sue Ann Clemens.

Em uma das coletivas de imprensa realizadas pelo Ministério da Saúde nas últimas semanas, declarou-se que uma terceira dose da vacina contra a Covid-19 será aplicada como reforço vacinal nos cidadãos brasileiros. 

A princípio, os primeiros a receberem a dose extra serão os idosos e profissionais da saúde. A prioridade dada segue as diretrizes do Plano Nacional de Imunização (PNI) que os classificou como principal grupo de risco e de atuação na linha de frente no combate à Covid-19. 

O Ministério da Saúde reconheceu nas últimas semanas que a imunidade tanto dos idosos quanto das pessoas mais jovens foi reduzida com o tempo. Em Israel, por exemplo, a maior parte do público que já havia sido vacinado, mas que ficou gravemente doente foi o de idosos com 60 anos ou mais. 

Em Israel, a terceira dose da vacina para essas pessoas começou a ser aplicada no dia 30 de junho. Desde então, a faixa etária contemplada pelo reforço vacinal já caiu para adultos com 40 anos. Grávidas, profissionais da educação e da saúde, mesmo que com idades inferiores, também estão sendo imunizados novamente.

https://www.youtube.com/watch?v=SmI1bdROZkM&t=203s&ab_channel=FDR-Finan%C3%A7as%2CDireitos%2CRenda

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 5
Total de Votos: 1

Crescem expectativas da 3ª dose da vacina após Israel confirmar eficácia

×
Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA