Alta na carne, luz e gás de cozinha atingem muito mais os pobres, diz Ipea

De acordo com dados apurados pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) o principal motivo que pressionou a inflação dos mais pobres no mês de junho, foi a alta nos preços dos bens e serviços como energia e gás. Junho terminou com uma inflação quase duas vezes maior para os pobres do que para os ricos.

Alta na carne, luz e gás de cozinha atingem muito mais os pobres, diz Ipea
Alta na carne, luz e gás de cozinha atingem muito mais os pobres, diz Ipea (Imagem: Getty Images)

O Indicador do Ipea de Inflação por Faixa de Renda, constatou uma desaceleração da pressão inflacionária do mês de maio para junho em todas as faixas.

Porém, a pressão de custos ainda recaiu de forma mais intensa para os mais pobres, que possuem renda menor que R$1.650,50: a variação dos preços passou de uma alta de 0,92% em maio para elevação de 0,62% em junho.

Entre as famílias mais ricas, com renda superior mensal a R$16.509,66, a inflação foi de 0,49% em maio para 0,36% no último mês. Já entre as famílias com renda média alta, com rendimento entre R$8.254,83 e R$16.509,66 por mês, a inflação perdeu velocidade  indo de 0,75% para 0,44% no período.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), apurado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e utilizado pelo Ipea como base para o cálculo da inflação por faixa de renda, fechou o último mês com crescimento de 0,53%, frente uma elevação de 0,83% no mês de maio.

A maior pressão sobre a inflação no mês de junho, foi causado pelos gastos com habitação. A energia elétrica aumentou 1,95% por conta do acionamento da bandeira vermelha patamar 2 e também do ajuste tarifário em Curitiba.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
imagem do cartão
Você foi selecionado para ter um cartão de crédito, sem anuidade hoje mesmo.
Faça sua aplicação!
277 pessoas solicitando no momento...

“As variações do gás de botijão e do gás encanado, por sua vez, seguem impactadas pela alta dos preços internacionais e já acumulam variações de 16% e 14,2% no ano, respectivamente”, destacava a nota do Ipea.

O crescimento de 1,10% nos gastos com habitação no mês de junho, foi responsável por 40% da inflação percebida pelas famílias mais humildes, um impacto de 0,24 p.p. O aumento de 0,43% no preço dos alimentos e bebidas foi responsável por mais 0,12 p.p.

A inflação acumulada em 12 meses até junho foi de 9,24% para as famílias mais humildes, patamar bem maior que os 6,45% constatados para as famílias mais ricas.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira, formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo, atua como do redator do portal FDR produzindo matérias sobre economia em geral e também como repórter do site Aparato do Entretenimento cobrindo o mundo da TV e das artes.