Suspensão do contrato com vacinas da Covaxin atrapalha calendário de imunização?

O Ministério da Saúde suspendeu, na última terça-feira (29), a compra das vacinas da Covaxin, desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech. A decisão veio por recomendação da Controladoria-Geral da União (CGU).

Suspensão do contrato com vacinas da Covaxin atrapalha calendário de imunização?
Suspensão do contrato com vacinas da Covaxin atrapalha calendário de imunização? (Imagem: Pallava Bagla)

As vacinas da Covaxin (BBV152) utiliza o vírus inativado para estimular o sistema imunológico a produzir anticorpos e ativar células de defesa contra o Coronavírus. Com isso, é incapaz de infectar pessoas e tem uma taxa de eficácia de 78%.

Segundo o Ministério da Saúde, a suspensão do contrato de compra das vacinas da Covaxin não afeta o calendário de imunização do país.

Isso porque, a mesma não estava sendo usada para vacinar os brasileiros nem estava no programa dos últimos calendários divulgados pela pasta.

Em nota, o Ministério informou que o motivo que levou a suspensão da compra das vacinas da Covaxin foi o fato da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não autorizar o uso emergencial ou definitivo do imunizante.

É importante saber que a Anvisa só aprovou, com restrições, a importação das vacinas da Covaxin e o uso em condições controladas. Com isso, deveria ser aplicada em indivíduos adultos, entre 18 e 60 anos sem comorbidades.

O ministro da CGU, Wagner Rosário, esclareceu que a suspensão do contrato se trata de uma ação preventiva. Sendo assim, a suspensão irá durar enquanto estiver acontecendo à auditoria específica em relação ao contrato.

Caso Covaxin

A compra da vacina indiana é repleta de controvérsias, sendo acusada pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e seu irmão, Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde. Segundo eles, há suspeitas de irregularidades na compra do imunizante.

Para piorar a situação, os irmãos afirmam que o presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido), tem conhecimento dessas irregularidades, mas não realizou nenhuma ação.

O deputado também afirmou, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, que Bolsonaro sabia de outras irregularidades no Ministério da Saúde orquestradas pelo deputado Ricardo Barros (PP-PR).

Uma das irregularidades é o valor superfaturado, deixando a vacina indiana 1000% mais cara do que o seu valor inicial. Com isso, essa conseguiu superar todas as outras vacinas compradas pelo Brasil, inclusive a Pfizer.

O contrato suspenso é de R$ 1,6 bilhão para a aquisição de 20 milhões de doses sem prazo para entrega. O acordo foi feito com dispensa de licitação. Diante dessas suspeitas a CGU pretende investigar as acusações.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.