CadÚnico: Por que devo atualizar meu cadastro a cada 2 anos?

O Cadastro Único (CadÚnico) é um programa do Governo Federal que visa coletar e apurar informações pessoais e trabalhistas de brasileiros caracterizados na situação de vulnerabilidade social. Através dele é possível acessar uma série de programas e benefícios sociais em todas as esferas governamentais. 

CadÚnico: Por que devo atualizar meu cadastro a cada 2 anos?
CadÚnico: Por que devo atualizar meu cadastro a cada 2 anos? (Imagem: Concursos no Brasil)

A inscrição no CadÚnico se popularizou nos últimos meses, sobretudo com a disponibilização do auxílio emergencial. Por isso, o número de cadastros teve um aumento expressivo em várias localidades pelo país. 

Aqueles que desejam se inscrever, basta procurar a unidade do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) mais próximo em cada município. O departamento é responsável pela coleta dos dados e a respectiva inserção no sistema do Governo Federal para atualizar o cadastro. 

O cidadão deve estar ciente e preparado para a inscrição, pois no ato, será preciso fornecer não somente os documentos próprios, como também, de cada membro do grupo familiar.

As principais informações solicitadas são relacionadas à situação de moradia, trabalho, renda mensal, grau de escolaridade, média de gastos mensais com as principais despesas, entre outros. 

No entanto, não é qualquer pessoa que pode ser incluída no CadÚnico. Para isso, é preciso se enquadrar em alguns critérios, como:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
imagem do cartão
Você foi selecionado para ter um cartão de crédito, sem anuidade hoje mesmo.
Faça sua aplicação!
277 pessoas solicitando no momento...
  • Ter renda mínima mensal de até meio salário mínimo por pessoa, R$ 550;
  • Ter renda familiar mensal de até três salários mínimos, R$ 3.300;
  • Nomear um membro responsável pelo grupo familiar para ser o titular do cadastro, desde que tenha 16 anos ou mais;
  • O chefe do grupo familiar deve ser, preferencialmente, mulher e apresentar o CPF e/ou Título de Eleitor;
  • Famílias indígenas e quilombolas podem apresentar qualquer um dos documentos citados a seguir.

Ao realizar a inscrição é preciso apresentar, pelo menos, um dos documentos a seguir de todos os membros do grupo familiar. Lembrando que o titular deve fornecer a documentação completa.

  • Certidão de Nascimento;
  • Certidão de Casamento;
  • CPF;
  • Carteira de Identidade (RG);
  • Certidão Administrativa de Nascimento do Indígena (RANI);
  • Carteira de Trabalho;
  • Título de Eleitor.

Feita a inscrição no CadÚnico, é preciso aguardar 15 dias para que os dados sejam validados no sistema do Governo Federal. Após este prazo, basta entrar em contato com a respectiva unidade do CRAS onde o registro foi feito para obter o Número de Identificação Social (NIS).

Neste âmbito, o NIS funciona como uma espécie de CPF, pois ele é o principal dado solicitado pelo cidadão vinculado ao CadÚnico que deseja obter benefícios ou fazer parte de programas sociais.

Atualização de dados no CadÚnico

Tendo em vista a importância dessa informação, é essencial que os dados cadastrais sejam atualizados regularmente. Do contrário, os programas e benefícios adquiridos podem ser cancelados.

A recomendação é para que o titular atualize a inscrição no CadÚnico em um ou dois anos, no máximo. A atualização deve ser feita junto ao CRAS onde o registro inicial foi feito. No entanto, há a possibilidade de realizar todo o procedimento no formato online pelo site do programa.

Vale ressaltar que devido à situação sanitária em que o país se encontra, provocada pela pandemia da Covid-19, desde o início de 2020 a atualização do CadÚnico deixou de ser obrigatória. Há alguns meses, o Governo Federal prorrogou mais uma vez a validade dos cadastros por mais seis meses.

Portanto, durante este período os cidadãos não perdem o direito aos benefícios sociais obtidos por meio do CadÚnico

Em justificativa à prorrogação dos prazos, o Ministério da Cidadania alegou que a pasta tem enfrentado certas dificuldades no processo de verificação dos dados devido à pandemia da Covid-19.

Outro fator que também implicou nesta decisão consiste nos trâmites provenientes da nova rodada do auxílio emergencial, que substituí temporariamente o programa de transferência de renda, Bolsa Família

“A necessidade de evitar aglomerações de pessoas e de evitar que os integrantes de famílias beneficiárias, assim como os cidadãos que trabalham em unidades de cadastramento dessas famílias, exponham-se à infecção pelo Covid-19”, disse o Ministério. 

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR.