Conta de luz fica mais cara a partir deste mês; entenda impactos no seu bolso

A partir deste mês de junho a conta de luz dos consumidores residenciais brasileiros virá com a bandeira vermelha. O encarecimento na tarifa de energia está relacionado à escassez de chuvas em, pelo menos, cinco estados brasileiros. 

Conta de luz fica mais cara a partir deste mês; entenda impactos no seu bolso
Conta de luz fica mais cara a partir deste mês; entenda impactos no seu bolso. (Imagem: Divulgação/Prefeitura de Bom Despacho)

A crise hídrica gerou a emissão de um alerta devido aos baixos níveis de água na região hidrográfica da Bacia do Paraná, responsável por atender os Estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo.

A previsão inicial é para que o alerta se mantenha entre o período de junho a setembro de 2021.

Esta foi caracterizada como a crise hídrica mais grave nos últimos 91 anos. Por esta razão a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) precisou decretar bandeira vermelha no patamar dois.

Esta alteração quer dizer que a cada 100 kWh, o consumidor brasileiro deverá arcar com R$ 6,243 a mais na conta de luz no fim do mês.

Em 2020, um apanhado feito pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) indicou que a média de consumo de energia elétrica por pessoa foi de 2.609 kWh. Ou seja, em um prazo de 12 meses, a bandeira vermelha no patamar dois seria capaz de resultar um gasto adicional de R$ 162,88 para cada consumidor brasileiro no fim de cada ano. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
Novo Cartão de crédito queridinho do Brasil, sem anuidade e que você pode solicitar agora 34.787 pessoas já solicitaram

Tendo em vista a crise hídrica devido à escassez das chuvas, a cobrança extra deverá ser mantida até o final de 2021. Isso porque, certamente o governo precisará recorrer a fontes de geração de energia mais onerosas por um longo período. 

Uma estimativa apontou que uma família composta por quatro pessoas pode chegar a gastar, em média, R$ 325,76 a mais caso a bandeira vermelha no patamar dois se mantenha até o mês de novembro.

A previsão até o mês mencionado não é por acaso, pois novembro normalmente é a época em que as chuvas costumam se intensificar na região centro-sul.

Vale mencionar que especialistas do setor elétrico chegaram a este valor após multiplicar a quantia média total por quatro pessoas e depois dividir por dois. A estimativa tem duração de seis meses nesta mesma condição.

Sistema de bandeiras

Criado em 2015, o sistema de bandeiras tarifárias visa manter o cidadão brasileiro informado e consciente sobre o consumo de energia elétrica, bem como, sobre a situação em todo território brasileiro. Cada uma das cores: verde, amarela e vermelha, indicam a gravidade e respectiva cobrança extra no valor final sinalizado ao consumidor. 

A bandeira vermelha, ou bandeira 1, resulta na cobrança de um adicional de R$ 4,169 para cada 100 kWh consumidos. Em justificativa, a Aneel disse que o aumento provém do período de seca, que reduz os níveis nas usinas hidrelétricas. Até então foi identificado o pior nível dos reservatórios desde o ano de 1931. 

A situação é desfavorável na produção de eletricidade. Isso porque, quanto menor for o nível de água armazenada, maior será a necessidade de acionar as termelétricas que resultam no respectivo encarecimento da conta de luz

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR.