Cuidado! Golpe por e-mail usa o nome da Anvisa para falsa vistoria

Novo golpe na praça. Na última sexta-feira (30), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que estão sendo compartilhadas falsas mensagens sobre suposta vistoria para a vacinação contra o novo coronavírus. De acordo com a instituição, os informes estão sendo concedidos por e-mail e tem como objetivo roubar dados dos usuários.

Cuidado! Golpe por e-mail usa o nome da Anvisa para falsa vistoria (Imagem: Maksim Goncharenok/Pexels)
Cuidado! Golpe por e-mail usa o nome da Anvisa para falsa vistoria (Imagem: Maksim Goncharenok/Pexels)

Enquanto o país corre na luta contra o tempo para ampliar seu cronograma de vacinação do coronavírus, há golpes sendo aplicados. A Anvisa relatou que as cidades que receberem e-mail solicitando a marcação de vistoria em nome da agência deve desconsiderar o informe, pois se trata de uma fraude.

De acordo com o alerta emitido na última semana, há quadrilhas enviando, por e-mail, “suposta vistoria para checar medidas de prevenção e combate ao coronavírus”. O protocolo de segurança, no entanto, não é real e tem como objetivo roubar dados dos usuários ao clicar no link da “equipe municipal de combate ao Covid-19”.

Medidas de segurança

Diante da situação, a Anvisa vem solicitando que as pessoas desconsiderem qualquer tipo de mensagem ou comunicado não emitido pelos seus meios oficiais.

Para esclarecer dúvidas ou fazer denúncias, entre em contato com a Anvisa por meio de um dos nossos canais de atendimento oficiais”, recomendou a agência.

Vacinação contra a covid-19

É válido ressaltar que a Anvisa tem sido a responsável pela fiscalização da aplicação das vacinas contra o novo coronavírus. Na última semana a agencia foi alvo de ações judiciais tendo em vista sua recusa ao medicamento Sputnik sob s justificativa de que seus relatórios técnicos não comprovaram sua eficácia.

Inicialmente a primeira dose aprovada em todo o território nacional foi a da Coronavac, elaborada em parceria com o Instituto Butantan. Na contrapartida, o governo federal vem alegando não ter mais insumo para a produção do medicamento já aceito, resultando na analise daqueles produzidos em outros países.

A Anvisa reforça que qualquer possibilidade de aplicação incorreta, comercialização ou demais ações suspeitas em relação a campanha de vacinação contra o novo coronavírus deve ser denunciada.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.