Anvisa será processada! Por que vacina da Sputnik V foi negada?

Anvisa deverá responder judicialmente sobre recusa da Sputnik V no Brasil. Na última semana, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária negou a utilização da vacina russa nos brasileiros. Diante disso, seus criadores afirmaram que irão recorrer à justiça, alegando difamação quanto a eficácia do remédio.

Anvisa será processada! Por que vacina da Sputnik V foi negada? (Imagem: Juan Mabromata/AFF)
Anvisa será processada! Por que vacina da Sputnik V foi negada? (Imagem: Juan Mabromata/AFF)

A campanha de vacinação contra o novo coronavírus tem sido pauta principal ao redor do mundo. No Brasil, com atrasos na fabricação da Coronavac, a Anvisa passou a avaliar outros tipos de medicamento para que as filas de imunização não ficassem congeladas. No entanto, a adoção da vacina russa Sputnik V foi recusada.

Motivações para a decisão da Anvisa

De acordo com o órgão, o medicamento não foi aprovado tendo em vista a ausência de provas necessárias para validar sua eficácia. Presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, informou que faltaram dados técnicos para verificar se o imunizante é de fato seguro.

“Jamais permitiremos, sem que existam as devidas provas necessárias, que milhões de brasileiros sejam expostos a produtos sem a devida comprovação de sua qualidade, segurança e eficácia ou, no mínimo, em face da grave situação que atravessamos, uma relação favorável risco-beneficio”.

De acordo com a revista científica “The Lancet”, a Sputnik V teria uma eficácia de 91,6%, porém os técnicos nacionais explicaram que tais números não foram comprovados em seus relatórios.

“Uma avaliação sanitária é diferente da que é feita por uma revista científica. Uma revista científica não tem por objetivo recomendar ou não o uso de uma vacina, nem tem o compromisso de verificar boas práticas clínicas ou tem como pressuposto o acesso a todos os dados brutos e laudos”, explicou Gustavo Mendes, técnico da Anvisa.

Cenário político é questionado

Após tomarem ciência da recusa, os russos afirmaram que a Anvisa estaria agindo por interesse político. A declaração foi feita nas redes sociais oficiais da vacina, alegando que o Brasil ficará em atraso por se concentrar em disputas de poder.

“Os atrasos da Anvisa na aprovação do Sputnik V são, infelizmente, de natureza política e não têm nada a ver com acesso à informação ou ciência. O Departamento de Saúde dos Estados Unidos, em seu relatório anual de 2020 há vários meses declarou publicamente que o adido de saúde dos Estados Unidos ‘persuadiu o Brasil a rejeitar a vacina russa COVID-19’”, informou o texto.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.