Valor do Bolsa Família 2021 vai aumentar para R$ 250, garante Bolsonaro

Pontos-chave
  • Bolsonaro anuncia mudança na mensalidade do Bolsa Família;
  • Proposta garante reajuste a partir de agosto;
  • Governo acumula pastas de reformulação do projeto desde 2020.

Bolsonaro anuncia correções nos valores do Bolsa Família. Nessa quarta-feira (28), o presidente da república informou que deverá aumentar para R$ 250 o pagamento médio ofertado pelo BF. De acordo com ele, a alteração será feita entre os meses de agosto e setembro, após o fim do auxílio emergencial 2021.

Valor do Bolsa Família 2021 vai aumentar para R$ 250, garante Bolsonaro (Imagem: Marcos Rocha/ FDR)
Valor do Bolsa Família 2021 vai aumentar para R$ 250, garante Bolsonaro (Imagem: Marcos Rocha/ FDR)

Mesmo sendo criticado por conceder um programa de transferência de renda de R$ 150, quando o país vive a maior crise econômica de sua história, Bolsonaro afirma que fará reajustes no Bolsa Família. A informação foi concedida pelo próprio gestor, em coletiva realizada em Brasília.

Reajuste na mensalidade do Bolsa Família

De acordo com o presidente, a atual média de R$ 192 deverá ser modificada em seu governo. Ele informou que o novo valor ficará em torno de R$ 250, garantindo que a implementação já estava prevista no orçamento público e será feita no segundo semestre.

— Hoje a média é R$ 192. O auxílio emergencial tá R$ 250, é pouco, mas é muito maior que a média do Bolsa Família, que a gente pretende passar para R$ 250 agora em agosto, setembro — afirmou Bolsonaro.

O ministério da cidadania, por sua vez, já tinha sinalizado o interesse de fazer reajustes na folha do Bolsa Família. Inicialmente, a proposta seria adotada juntamente com o plano de restauração do projeto, que consolidava ainda a concessão de uma série de novos benefícios.

— O que podemos dizer é que o governo pretende que essa reestruturação e ampliação do Bolsa Família sirva como um anteparo para que não ocorra uma queda tão brusca ao final dos quatro meses de auxílio em 2021. Ou seja, quando chegar o mês de agosto, ampliando um pouco o Bolsa Família, isso possa servir para amortecer (o final), uma vez que o Bolsa Família também está vinculado aos mais vulneráveis — disse o ministro da Cidadania, João Roma.

Propostas não saem do planejamento

É válido ressaltar, no entanto, que o suposto interesse de Bolsonaro em restaurar o Bolsa Família vem sendo debatido desde 2020. Inicialmente seu governo propôs o lançamento de um novo projeto social, intitulado Renda Brasil, onde seria criada uma espécie de carteira única para segurar aqueles em situação de vulnerabilidade.

Todavia, a proposta foi suspensa devido a falta de organização no orçamento da União. A solução sugerida pelo ministro da economia, Paulo Guedes, de congelar salários e cancelar benefícios como o abono salarial, foi reprovada por Bolsonaro.

Na sequência o governo passou a falar sobre a consolidação do Renda Cidadã, que teria a mesma finalidade do Renda Brasil, mas com o custo menor para a União. O projeto também não foi para a frente, pois mais uma vez não houve um consenso entre os gestores para definir sua folha orçamentária.

Valor do Bolsa Família 2021 vai aumentar para R$ 250, garante Bolsonaro (Imagem: Marcos Rocha/ FDR)
Valor do Bolsa Família 2021 vai aumentar para R$ 250, garante Bolsonaro (Imagem: Marcos Rocha/ FDR)

Defesa e manutenção pelo Bolsa Família

Diante das críticas e pressão popular sobre o futuro social do país, Bolsonaro chegou a ameaçar demitir Guedes, garantindo que estava proibido, em seu governo, falar sobre um novo projeto social. Para ele o foco deveria ser exclusivamente destinado ao Bolsa Família.

Desse modo, um novo debate foi iniciado, o processo de reformulação do BF. O governo afirmou que estaria criando novos benefícios, alterando as faixas mínimas de renda para inclusão no projeto e expandindo o número de pessoas contempladas.

A pauta por sua vez foi congelada e adiada, tendo em vista a imposição do Congresso para a implementação do auxílio emergencial 2021. Desde então, os segurados do BF passaram a contar com um complemento de renda de até R$ 375, ficando mais de 50% menor do que o teto de R$ 1.200 liberado pelo coronavoucher em 2020.

Calendário do auxílio emergencial para inscritos no Bolsa Família

Dígito final NIS Depósito
NIS final 1 16 de abril 18 de maio 17 de junho 19 de julho
NIS final 2 19 de abril 19 de maio 17 de junho 19 de julho
NIS final 3 20 de abril 20 de maio 21 de junho 21 de julho
NIS final 4 22 de abril 21 de maio 22 de junho 22 de julho
NIS final 5 23 de abril 24 de maio 23 de junho 23 de julho
NIS final 6 26 de abril 25 de maio 24 de junho 26 de julho
NIS final 7 27 de abril 26 de maio 25 de junho 27 de julho
NIS final 8 28 de abril 27 de maio 28 de junho 28 de julho
NIS final 9 29 de abril 28 de maio 29 de junho 29 de julho
NIS final 0 30 de abril 31 de maio 30 de junho 30 de julho

 

 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.