Infecção por COVID-19 garante benefícios do INSS? Descubra seus direitos

Depois de mais de um ano de pandemia causada pelo novo coronavírus, o requerimento de benefícios por meio de incapacidade provocada pela doença, no qual representa 10% do total de pedidos ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)

publicidade
Infecção por COVID-19 garante benefícios do INSS? Descubra seus direitos
Infecção por COVID-19 garante benefícios do INSS? Descubra seus direitos (Foto: Pixabay)

O número de afastamentos no trabalho decorrentes do coronavírus só fica atrás daquele referente a doenças ortopédicas.

Foram registrados pelo órgão cerca de 37 mil pedidos sob essas condições, segundo dados da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho. 

publicidade

Os benefícios concedidos com base nas CIDs (Classificação Internacional de Doenças) relacionadas a problemas respiratórios saltaram de 19,3 mil, em 2019, para 51,3 mil, no ano passado. Isso aponta uma  alta de 166%.

Quem pode receber?

Aquele trabalhador que permanece incapacitado para o trabalho por conta das consequências da Covid-19 por mais de 15 dias tem direito ao benefício, desde que o motivo do impedimento ao exercício profissional seja atestado por um médico e confirmado pela perícia da Previdência.

Doenças que concedem o benefício

A Covid-19 foi a segunda principal doença responsável pela geração de benefícios temporários por incapacidade entre março e dezembro de 2020. Mas perdeu apenas para os casos de transtorno do disco lombar, que é conhecido como hérnia de disco.

Os benefícios concedidos por incapacidade temporária, conhecidos como auxílio-doença, garantem salário por meio de provas da impossibilidade de trabalhar, mesmo que por um período determinado.

Para receber esse benefício é necessário realizar a perícia no INSS, se o trabalhador ficar ausente pelo período de mais de 15 dias do trabalho.

Apesar disso, a Lei 14.131/2, que foi editada em março, autoriza a concessão do auxílio por incapacidade temporária apenas com a apresentação de atestado médico, sem necessidade de perícia. 

publicidade

Se o pedido for negado administrativamente, ainda é possível propor alguma ação na Justiça.

Para esses pedidos, vale ainda ser analisada a procedência do agente incapacitante. Para os trabalhadores que estão na linha de frente contra o COVID-19, esse afastamento seria decorrente do trabalho, já que há uma relação bem clara entre a enfermidade e atividade que o trabalhador efetua.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Já quando não há presunção de causa, devem ser avaliadas as condições concretas que envolvem o funcionário, que vão desde método de trabalho e fornecimento de equipamentos de proteção até condições adequadas de exercício da atividade sob este contexto. Porém, isso fica a cargo do empregador, que deve provar que a doença não é ocasionada pelo ofício. 

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.