Aplicativo FGTS libera consulta ao saldo e saques disponíveis no fundo de garantia

A Caixa Econômica Federal (CEF) liberou a consulta online ao saldo disponível no FGTS. Agora, todas as modalidades atribuídas ao Fundo de Garantia estão disponíveis para acesso 100% digital, através de um aplicativo para aparelho celular. 

App FGTS libera consulta online ao saldo disponível no fundo de garantia
App FGTS libera consulta online ao saldo disponível no fundo de garantia (Foto: Luis Lima Jr /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 1974785

Pelo aplicativo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), o trabalhador consegue requerer o saque do benefício, indicar uma conta para a instituição bancária fazer o depósito do valor.

Além de anexar documentos e acompanhar as etapas do processo. O aplicativo está disponível nas lojas do Android e iOS. 

Acesso ao aplicativo do FGTS

  • Acesse a loja de aplicativos do seu celular e procure “FGTS”; 
  • Ao encontrar o aplicativo, clique em instalar e abra-o após concluído o download;
  • Selecione a opção “Cadastre-se”;
  • Preencha os campos fornecendo todos os dados solicitados, como: nome, CPF, data de nascimento, e-mail;
  • Em seguida, cadastre uma senha de acesso;
  • Clique no botão “Não sou um robô”;
  • Na sequência o usuário irá receber um e-mail de confirmação. Acesse link enviado;
  • Feito o cadastro, basta abrir o aplicativo e informar o cpf e senha cadastrados;
  • Ao fazer o login e acessar a conta no aplicativo, aparecerão algumas perguntas extras na tela inicial;
  • Respondidas todas as questões é preciso ler e aceitar os termos de uso do aplicativo clicando em “Concordar”;
  • O aplicativo está pronto para uso.

Serviços disponíveis no aplicativo do FGTS

  • Realização de saque de valores liberadas por rescisão contratual e saque imediato;
  • Solicitação de demais modalidades de saque perante o anexo de documentos;
  • Indicação de conta de qualquer banco para recebimento dos valores liberados;
  • Consulta de saldos, extratos, entre outros.

FGTS

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) foi criado através da Lei n 5.107, de 13 de setembro de 1966, tornando-se vigente a partir do dia 1º de janeiro de 1967.

O objetivo do programa é proteger o trabalhador brasileiro demitido sem justa causa através da abertura de uma conta vinculada a cada contrato trabalhista. 

No início de cada mês, o empregador é obrigado a efetuar um depósito  de 8% com base no salário do funcionário, em conta aberta junto à Caixa Econômica Federal (CEF) na titularidade do empregado.

Ao final do vínculo trabalhista entre ambas as partes, o FGTS se constitui por meio do total de depósitos mensais e os respectivos valores. Desta forma, o trabalhador tem a chance de formar um patrimônio.

Vale ressaltar que o saque do FGTS é permitido em condições específicas, como na aquisição da residência própria, aposentadoria, doenças graves e demissão sem justa causa, que é o modelo mais comum de todos. 

Quem tem direito ao FGTS?

No geral, todos os trabalhadores brasileiros regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) têm direito a acessar o benefício.

O mesmo vale para os trabalhadores rurais, temporários, intermitentes, avulsos, safreiros e atletas profissionais.

Ressaltando que o diretor não-empregado também pode ser caracterizado na mesma condição dos demais trabalhadores sujeitos ao FGTS

Além do mais, foi facultado ao empregador doméstico a escolha de recolher ou não o FGTS referente ao empregado até 30 de setembro de 2015.

Porém, a partir do dia 1º de outubro de 2015 o recolhimento passou a ser obrigatório. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.