ESTAS são as opções para sobreviver a fase emergencial da pandemia

Brasil recua para a fase vermelha da pandemia e população precisa reajustar as contas. As expectativas de que 2021 seria melhor economicamente estão cada vez mais rasas. Com os leitos de UTI’s lotados e parte significativa dos estados em lockdown, o país regride novamente. Para a população, a grande preocupação tem sido como manter as contas, diante da inflação e desemprego.

ESTAS são as opções para sobreviver a fase emergencial da pandemia (Imagem: Google)

Não bastasse a crise sanitária que vem matando mais de 2 mil pessoas diariamente na pandemia, o brasileiro precisa passar por mais um período de reajuste financeiro.

Para a classe média e alta, o principal problema tem sido a inflação, fazendo com que os gastos se tornem ainda maiores. Já para os mais pobres, o medo circula sobre a possibilidade de não se alimentar.

Projetos sociais garantem renda temporária

Entre as medidas que poderão auxiliar quem se encontra em vulnerabilidade social, está a concessão do novo auxílio emergencial com um valor entre R$ 150 e R$ 375. Há ainda os pagamentos do Bolsa Família que também passará pela extensão de renda do coronavoucher.

Com os benefícios em mãos, a população deve priorizar a compra de parta da cesta básica para garantir a alimentação de suas famílias. Pesquisas do Dieese mostraram que, o valor dos abonos garante apenas 23% dos insumos.

Diante da falta de opções, procurar por produtos ainda mais baratos e reduzir a lista da feira são as únicas alternativas ao longo do período de lockdown.

Reajuste nas contas

Já para quem tem a carteira assinada, mas está sentindo o peso da crise, uma organização nas contas será necessária. Despesas referentes a água, luz, aluguel e condomínio devem ser priorizadas neste momento.

Uma alternativa que pode auxiliar na redução dos gastos é a inclusão nos projetos que garantem a tarifa social, fazendo com que as parcelas fiquem mais baratas.

Há ainda uma organização na quitação de impostos, como IPTU, IPVA que podem resultar em multas e aumento do orçamento devido aos atrasos.

Benefícios previdenciários e federais

Por fim, outra opção para a complementação da renda é a solicitação de benefícios como o auxílio doença, pensão por morte ou BPC, para quem enfrentou problemas de saúde ou a perda de algum familiar.

O governo estará antecipando ainda o 13º salário do INSS e o abono PIS/PASEP ao longo das próximas semanas.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.