Estudo sugere investimento maior no Bolsa Família do que em aposentadorias

Um estudo feito pelo economista, Jens Arnold, sugere investimento maior no Bolsa Família do que em aposentadorias. Conforme apurado, se esta tática fosse colocada em prática, o país seria capaz de dobrar o progresso equivalente à amenização e redução da desigualdade econômica. 

publicidade
Estudo sugere investimento maior no Bolsa Família do que em aposentadorias
Estudo sugere investimento maior no Bolsa Família do que em aposentadorias (Imagem: Google)

Esses resultados foram obtidos após longos anos de análises da economia brasileira, possibilitando a identificação de gastos sociais superiores à margem de 15% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, sendo que destes, 13% são voltados à aposentadoria

Este fator pode ser justificado pelo reajuste anual do salário mínimo, medida que apesar de necessária, gera um custo fiscal proveniente da indexação de benefícios correspondentes à seguridade social no Brasil.

publicidade

Com base no estudo em questão, realizado entre o período de 2014 a 2021, nota-se a premissa de que o grupo de cidadãos brasileiros aposentados compõem a classe mais pobre do país. E se fortaleceu com o passar do tempo, dificultando a estagnação do salário mínimo sob pena de prejudicar ainda mais a faixa em situação de vulnerabilidade social. 

Na oportunidade, o economista acrescentou que cerca de 55% dos cidadãos brasileiros possuem uma renda inferior a um salário mínimo, fato que já se tornou uma “realidade completamente diferente”.

Em contrapartida, os autores do respectivo estudo reforçam que em virtude da indexação do salário mínimo, se os recursos direcionados aos aposentados tivessem sido investidos no Bolsa Família, eles resultariam em um declínio 101% mais forte no que compete à desigualdade de renda no ano de 2021. Enquanto isso, o percentual seria de 63% em 2013 e 50% em 2014.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Por fim, é válido dizer que apesar da nítida redução no aumento anual do salário mínimo brasileiro desde 2014, às pressões políticas que dispõem sobre um crescimento real podem emergir com facilidade gradativamente, à medida em que a economia do país for se recuperando, destacou Jens Arnold.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.