PIX vai liberar saque de dinheiro em comércios e lojas a partir de junho

O saque de dinheiro no comércio por meio do PIX, que é o novo sistema de pagamentos instantâneo, vai ser lançado no Brasil para os usuários do sistema a partir de junho, segundo o Banco Central (BC).

PIX vai liberar saque de dinheiro em comércios e lojas a partir de junho
publicidade

Essa ferramenta de saque em lojas físicas foi anunciada pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, em junho do ano passado. 

O usuário deve ter saldo em conta pra transferir para o lojista por meio do Pix, e receberá o dinheiro em espécie.

O BC acredita que a medida beneficia os clientes dos bancos tradicionais e de fintechs que não dependem exclusivamente das agências e dos caixas eletrônicos para realizar os saques.

Os técnicos do banco afirmam que essa medida vai trazer mais segurança para os lojistas. A expectativa é que com esse formato de saque, os lojistas reduzam o número de idas aos bancos para fazer depósitos e, assim, dependam menos dos serviços que vão transportar o dinheiro.

O que é o PIX?

É uma ferramenta de pagamento instantâneo, uma nova opção ao lado do TED,DOC e cartões para pessoas e empresas realizarem transferências de valores ou recebimento de pagamentos.

Como aderir?

Para aderir ao Pix é necessário que o usuário crie uma chave, usando os canais de atendimento do banco ou instituição financeira onde tem conta. Essa chave pode ser o número do seu CPF, telefone, e-mail ou código aleatório. 

Como fazer pagamento com PIX?

No momento de realizar a transação, a opção do Pix vai aparecer no aplicativo ao lado da TED ou DOC.

Depois, só escolher o Pix e digitar a chave informada pelo destinatário do pagamento.

Outras novidades

O Banco Central anunciou mais duas novidades que serão disponibilizados ao usuários nos próximos meses. A primeira é o pagamento por aproximação que pode ser feito pelo celular, para isso basta aproximar o celular da maquininha de cartão, que debita o valor por meio do Pix.

Já a segunda será a iniciação do pagamento, no qual será criado uma instituição financeira, com capital mínimo de R$1 milhão, onde serão executadas as transferências, mas não participarão do fluxo financeiro.

Jheniffer FreitasJheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.