Valor do salário mínimo 2021 já começou! Veja quais pagamentos foram afetados

Novo salário mínimo passa a valer para todos os brasileiros. A partir desse mês, o salário de trabalhadores e benefícios previdenciários estarão sendo concedidos com reajuste. Diante das correções do piso nacional, a população agora deverá ter como base R$ 1.100 para organizar as finanças. No texto abaixo, entenda o que muda.

Valor do salário mínimo 2021 já começou! Veja quais pagamentos foram afetados (Imagem: Reprodução/Google)
Valor do salário mínimo 2021 já começou! Veja quais pagamentos foram afetados (Imagem: Reprodução/Google)
publicidade

Mais do que alterar o valor concedido para quem trabalha de carteira assinada, o salário mínimo também é usado como base para definir uma série de benefícios.

Na Previdência, as aposentadorias, pensões e demais abonos deverão ser corrigidas. Já no mercado, o seguro desemprego passará a ser concedido com acréscimos.

Novo piso nacional previdenciário

Para os aposentados e pensionistas do INSS, a atualização do salário mínimo significa dizer que nenhum benefício concedido pelo órgão deverá ser menor que R$ 1.100. Ou seja, até mesmo as pessoas de baixa renda, uma vez contempladas pela previdência, deverão ter a quantia mínima estabelecida nesse valor.

Já o que diz respeito ao teto do INSS, a correção atual é de R$ 6.433. O número deverá ser aplicado até mesmo para quem recebe acima dessa quantia, como por exemplo, um cidadão com contribuição máxima e salário de R$ 15 mil.

Sendo determinados os valores máximos e mínimos o INSS passa a fazer os cálculos de cada benefício, levando em consideração suas regras, para que estes sejam concedidos.

Para quem já era contemplado, é importante ressaltar que não há restituição das mensalidades anteriores. A medida só passa a ser válida de fevereiro em diante.

Seguro desemprego e demais abonos validados pela CLT

No caso do seguro desemprego, a correção do mínimo significa dizer que há aumento no salário dos trabalhadores demitidos sem justa causa.

O valor de base para o cálculo do benefício deixará de ser de R$ 1.045 para R$ 1.100. Desse modo, a atual tabela de concessão funciona da seguinte forma:

  • Aqueles que recebem até R$ 1.686,79 deve multiplicar o salário médio dos últimos três meses por 0,8. O valor não deve ser inferior a R$ 1.100;
  • Os empregados que possuem salário de R$ 1.686,80 até R$ 2.811,60, caso sejam demitidos, devem multiplicar a quantia que exceder R$ 1.686,79 por 0,5 e somar com R$ 1.349,43;
  • Aqueles que recebem mais que R$2.811,60 terão direito, invariavelmente, a R$ 1.911,84.

Por fim, não se pode descartar o abono salarial PIS/PASEP que também será reajustado. Para esse grupo o pagamento máximo de quem esteve de carteira assinada por 12 meses é de R$ 1.100 e o valor mínimo ficará em R$ 91, disponível para quem trabalhou por apenas 30 dias.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.