Ministro da Cidadania quer Bolsa Família MAIOR e fim do auxílio emergencial

Governo federal anuncia plano de reestruturação do Bolsa Família. Nessa semana, em entrevista para a Rádio Bandeirantes, o ministro da cidadania, Onyx Lorenzoni, informou que está encerrando o planejamento do programa social em 2021. De acordo com ele, as medidas serão anunciadas na próxima semana, mas não incluirá a extensão do auxílio emergencial.

Ministro da Cidadania quer Bolsa Família MAIOR e fim do auxílio emergencial (Imagem: Google)
Ministro da Cidadania quer Bolsa Família MAIOR e fim do auxílio emergencial (Imagem: Google)
publicidade

A manutenção do Bolsa Família está entre os assuntos mais cobrados ao governo no início deste ano. Com o fim do auxílio emergencial, o projeto deverá resguardar mais de 14 milhões de famílias em situação de vulnerabilidade social.

Bolsa Família 2021

Para este ano, o ministro afirmou que deverá implantar uma série de mudanças. A primeira delas está relacionada a criação de novos benefícios, como abonos para os alunos vinculados a atividades esportivas e iniciação científica.

— É um recurso que nós criamos um novo valor para que as crianças pequenas possam ter uma condição nutricional porque isso impacta no desempenho da vida dela.

De acordo com Onyx, o projeto está na fase final de formatação, devendo ser lançado já em fevereiro. Porém, ainda há entraves, pois é preciso que o orçamento anual seja aprovado.

— O que ocorre, ele (o Orçamento) deve ser votado. O Congresso vai nos dar a possibilidade de ter um pouco de recurso no Bolsa? Aí sobe o valor, por isso não posso dizer que é A, porque daqui a dois dias pode ser A mais B.

Auxílio emergencial suspenso em 2021

Questionado sobre o auxílio emergencial, o ministro afirmou que não poderá manter a pauta. De acordo com ele, é inviável para o governo, atualmente, fazer a manutenção de tais folhas de pagamento.

Onyx relembrou ainda que foram encontradas uma série de fraudes dentro do projeto, alegando que muito dinheiro foi endereçado para pessoas que não estavam em situação de vulnerabilidade social.

Diante disso, a solução encontrada por ele e sua equipe foi reforçar o atendimento pelo Bolsa Família, havendo um maior controle e fiscalização na entrada dos segurados. É válido ressaltar, no entanto, que a Câmara e o Congresso ainda podem votar pela permanência do coronavoucher.

A proposta deverá ser definida também em fevereiro, podendo voltar a ser ofertada a partir de março. Para acompanhar o processo de votação, fique de olho em nossa página exclusiva sobre.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.