Auxílio emergencial chega ao FIM! Grupo recebe última parcela de benefício histórico

Pontos-chave
  • Última parcela do auxílio emergencial é paga pela Caixa hoje (27);
  • Segurados de grupo específico serão contemplados;
  • Governo avalia a possibilidade de manter o programa em 2021.

Segurados do auxílio emergencial recebem última parcela. Nesta quarta-feira (27), a Caixa Econômica Federal passou a disponibilizar a rodada final de saques do coronavoucher. O benefício ficará disponível apenas para os inscritos no ciclo 5 e 6 do projeto, a depender da data de aceite.

Auxílio emergencial chega ao FIM! Grupo recebe última parcela de benefício histórico (Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Auxílio emergencial chega ao FIM! Grupo recebe última parcela de benefício histórico (Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Após meses disponibilizando mensalidades de até R$ 1.200 para milhares de brasileiros, chega ao fim os pagamentos do auxílio emergencial. O último grupo de contemplados acaba de ter os valores disponibilizados para saque nas unidades da Caixa Econômica.

Diante disso, a instituição deverá encerrar definitivamente os depósitos em nome do programa, o que significa que parte significativa do fluxo de renda nacional será amenizado. Há ainda uma previsão de extensão do auxílio, a partir de março, mas depende da aprovação do ministério da econômica.

Quem são os últimos contemplados

De acordo com as regras e organização da Caixa, hoje estará fazendo o saque todos aqueles que receberam a última parcela pelo Caixa Tem entre os dias 11 e 28 de dezembro de 2020.

Isso significa dizer que, no fim das contas não se trata de um novo pagamento efetivo, apenas da disponibilização do valor em espécie.

Para que chegasse ao fim dos pagamentos, a Caixa organizou os envios de duas formas. Primeiro a população estava recebendo as mensalidades por meio do Caixa Tem e após aproximadamente 30 dias é que o valor poderia ser transferido ou sacado.

Auxílio emergencial – ciclos 5 e 6

Mês de aniversário Depósito ciclo 5 Depósito ciclo 6 Saques
Janeiro 22/nov 13/dez 19/dez
Fevereiro 23/nov 13/dez 19/dez
Março 25/nov 14/dez 4/jan
Abril 27/nov 16/dez 6/jan
Maio 29/nov 17/dez 11/jan
Junho 30/nov 18/dez 13/jan
Julho 2/dez 20/dez 15/jan
Agosto 4/dez 20/dez 18/jan
Setembro 6/dez 21/dez 20/jan
Outubro 9/dez 23/dez 22/jan
Novembro 11/dez 28/dez 25/jan
Dezembro 12/dez 29/dez 27/jan

Fonte: Diário Oficial da União

Número total de parcelas

No que diz respeito ao número total das parcelas, há contemplados com 5 e outros com 9 parcelas. A definição exata varia de acordo com o momento em que o cidadão teve seu cadastro aceito no auxílio.

Apenas os aprovados no mês de abril de 2020, primeiro lote do programa, tiveram acesso a todas as rodadas ofertadas. Confira:

  • Quem recebeu a 1ª em abril: 9 parcelas
  • Quem recebeu a 1ª em maio: 8 parcelas
  • Quem recebeu a 1ª em junho: 7 parcelas
  • Quem recebeu a 1ª em julho: 6 parcelas
  • Quem recebeu a 1ª a partir de agosto: 5 parcelas
Auxílio emergencial chega ao FIM! Grupo recebe última parcela de benefício histórico (Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Auxílio emergencial chega ao FIM! Grupo recebe última parcela de benefício histórico (Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Valores do auxílio emergencial

Quanto ao valor da mensalidade, a parcela mínima foi de R$ 300 e a máxima de R$ 1.200. Nas primeiras rodadas o governo concedeu um pagamento de R$ 600 por cidadão, porém, com a extensão do programa até dezembro o benefício foi reduzido pela metade.

Para as mulheres chefes de família, o teto variou entre R$ 1.200 nos primeiros meses e R$ 600, uma vez em que tinham direito de receber o dobro.

Fim do programa deverá impactar a economia

Diante do fim dos pagamentos, analistas afirmam que o governo deverá elaborar uma outra proposta de transferência de renda para os brasileiros em situação de vulnerabilidade. Por meio do auxílio emergencial, parte significativa da população conseguiu manter o poder de compra e venda.

Sem o projeto, esse mesmo grupo volta para os índices de pobreza e extrema pobreza, o que significa que haverá um declínio na economia nacional. Até o momento, a solução posta pelo presidente Jair Bolsonaro foi de repassar os inscritos do auxílio emergencial para o bolsa família.

É válido ressaltar, no entanto, que as estratégias de migração desse grupo ainda não foram divulgadas. Na contrapartida, o ministro da economia, Paulo Guedes, afirma ter o interesse de prorrogar o projeto a depender do orçamento público.

A pauta está sendo ainda debatida na Câmara dos Deputados, com parte significativa da bancada votando a favor da permanência. Espera-se que até o fim de fevereiro haja uma definição.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.