Nubank ou Banco Inter: Qual melhor opção para criar conta da sua empresa?

Pontos-chave
  • Os bancos hoje oferecem contas de pessoa jurídica;
  • Bancos digitais, como Inter e Nubank, são exemplos;
  • Ambas oferecem vantagens para a pessoa jurídica, tornando mais fácil o acesso a crédito.

No período da pandemia, os profissionais que trabalham como autônomos (PJs) ou microempreendedores individuais (MEI) cresceram muito. O novo negócio faz necessária a abertura de novas contas jurídicas para a administração. As fintechs Nubank e Banco Inter são opções. 

Nubank ou Banco Inter: Qual melhor opção para criar conta da sua empresa?
Nubank ou Banco Inter: Qual melhor opção para criar conta da sua empresa? (Imagem: Reprodução/Google)

Apesar disso, os profissionais que precisam realizar a abertura dessas contas têm dúvidas sobre qual delas vale a pena. Comparamos as contas de pessoa jurídica do Nubank, e do Banco Inter.

Nubank 

O banco possuí a conta para pessoa física e para pessoas jurídicas, o aplicativo de ambas é bem intuitivo. A conta jurídica possuí menos serviços.

Um ponto em comum é que a conta não possui taxas de manutenção ou cobranças nas transações financeiras.

Nubank ou Banco Inter: Qual melhor opção para criar conta da sua empresa?
Nubank ou Banco Inter: Qual melhor opção para criar conta da sua empresa? (Foto:Google)

Vantagens

  • Sem taxas;
  • Transferências gratuitas e ilimitadas para contas Nubank, e para outros bancos;
  • Pagamentos de boletos direto pelo app;
  • Geração de boletos de cobrança;
  • Função PIX;
  • Extrato da conta nos formatos PDF ou OFX para contabilidade.

Como abrir a conta PJ no Nubank?

Para conseguir abrir uma conta jurídica é necessário ter uma conta de pessoa física e possuir o CNPJ da empresa, MEI, EI ou EIRELI, apenas com um sócio.

Saiba como abrir a conta passo a passo:

  • Primeiro lugar, abra o aplicativo do Nubank e clique em “Configurações”;
  • em seguida, clique em “Pedir conta PJ”;
  • depois, clique novamente em “Pedir conta PJ”;
  • por fim, preencha o CNPJ.

Banco Inter

Esse serviço é destinado para os clientes empresariais, por meio dela pode-se  obter uma conta corrente no CNPJ da empresa, sem manutenção e com alguns serviços gratuitos.

A conta está disponível para cooperativas, associações, condomínios, EIRELI, EPP, Micro Empresa, Limitada (LTDA) e Sociedade Anônima.

Hoje, as empresas do país têm um gasto alto com as tarifas bancárias e isso impacta nos negócios. Por isso, a conta PJ do Banco Inter oferece alguns serviços gratuitos.

Vantagens 

Uma das vantagens da conta é a realização de transferências entre contas do Banco Inter e outros bancos, independente do valor. 

É possível fazer o pagamento de boletos bancários, convênios, tributos e impostos via Internet Banking. 

Além disso, é disponibilizado o pagamento da folha automática, autorização dupla de transações; o gerenciamento de acesso para cada usuário. Bem como a criação de novos usuários com permissões para visualizações e movimentações que são pré-estabelecidas por um usuário master. 

Saiba outras vantagens:

  • Agendamento de transferências;
  • Até 100 TEDs mensais gratuitos;
  • Emissão gratuita de até 100 boletos de depósito por mês;
  • Emissão gratuita de até 100 boletos de cobrança por mês;
  • Saques gratuitos e ilimitados nos mais de 20 mil caixas da Rede Banco 24 horas;
  • Saques gratuitos e ilimitados na rede Saque&Pague;
  • Cartão Inter MasterCard Microbusiness Débito.

Como abrir a conta digital MEI?

  • Primeiro é preciso acessar o aplicativo do Banco Inter;
  • Acesse a sua conta no aplicativo do Banco Inter;
  • Entre no aplicativo com o número da conta e senha;
  • No menu lateral, selecione a opção Conta Digital MEI;
  • Agora  é só seguir o passo a passo para pedir sua Conta Digital MEI.

MEI

O MEI surgiu no ano de 2008, após a Lei Complementar 128 entrar em vigor em dezembro daquele ano.

Após isso, foram criadas condições especiais para o trabalhador ter a sua empresa de forma independente.

Essa modalidade de empreender é para os empresários que faturam até R$81 mil por ano, e não têm outra empresa em seu nome ou não sejam sócio de outra. 

Os MEIs podem ter empregados contratados, porém esses podem receber um salário mínimo ou o piso que é determinado para a categoria.

Quais os requisitos para me tornar MEI?

Os requisitos para se tornar microempreendedor individual são:

  • Ter faturamento anual de, no máximo, R$ 81.000,00;
  • Não abrir filial e ter no máximo 1 empregado;
  • Não estar recebendo o seguro-desemprego;
  • Não possui sociedade ou ser dono de uma outra empresa;
  • Ter mais de 18 anos;
  • Atuar em uma ocupação que conste na lista de atividades do MEI, como comerciante, mecânico, artesão, entre outras.

Os documento necessário para abrir a empresa são: 

  • Número do cadastro que foi realizado no portal oficial de Serviços do Governo Federal;
  •  Carteira de Identidade ou RG;
  •  Título de eleitor ou Declaração de Imposto de Renda;
  • Comprovante de residência
  • Contatos.
  • Informações sobre o negócio, como tipo de atividade realizada, atuação e endereço do negócio.

Como se inscrever?

Para se inscrever é preciso acessar o site do Portal do Empreendedor, depois é só clicar em “Faça Cadastro”.

Assim, será necessário informar todos os dados solicitados, após confirme os seus dados e clique em formalize-se.

Depois, é preciso autorizar a plataforma a utilizar os seus dados pessoais e finalizar o cadastro. 

Em alguns casos, é preciso que o solicitante informe o número do título de eleitor ou a numeração no recibo da declaração do imposto de renda.

Vantagens de ser MEI

Aqueles que possuem um registro de MEI podem fazer emissão de nota fiscal, possui um CNPJ e poderá criar uma conta em banco digital.

Além disso, poderá receber o auxílio-maternidade, remuneração em caso de afastamento por conta de problemas de saúde e terá o direito de receber aposentadoria ou benefícios da previdência social.

Jheniffer FreitasJheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.