Bolsa Família: Governo volta a falar em CONGELAMENTO da aposentadoria para bancar programa

O governo não desistiu da criação de seu novo programa social e com o fim do auxílio emergencial se aproximando, as lideranças e membros da equipe econômica aceleraram nesta semana, as negociações com parlamentares para implantar ainda em 2020 uma solução para o “novo Bolsa Família. Já se sabe que um corte de gastos é necessário.

Bolsa Família: Governo volta a falar em CONGELAMENTO da aposentadoria para bancar programa
Bolsa Família: Governo volta a falar em CONGELAMENTO da aposentadoria para bancar programa (Imagem: Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

A intenção é que a proposta chegue já nos próximos dias ao presidente Bolsonaro. Como os avanços na agenda fiscal após o primeiro turno das eleições 2020 ficarem empacados, os principais articuladores estão tentando encontrar uma direção mais segura a se seguir na próxima semana, quando finalmente tudo estará decidido após o segundo turno.

Uma coisa já é dada como cerca: a inclusão no parecer do relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) emergencial, senador Márcio Bittar (MDB-AC), os “gatilhos” de corte de despesas obrigatórias para preservar a sustentabilidade do teto de gastos (o limitador do avanço das despesas à inflação) e a previsão de corte em isenções e subsídios tributários, política que deve ser responsável pelo gasto de R$ 307,9 bilhões em 2021, sem alterações.

Entre os gatilhos, as atenções estão voltadas nos gastos com pessoal. Nos incentivos tributários, a orientação é realizar um corte de alcance geral, com exceção somente do Simples Nacional que é o regime de tributação diferenciada voltado para micro, pequenas e médias empresas e os benefícios regionais.

Desta forma, o percentual de corte das renúncias em outras áreas precisará ser um pouco maior, girando em torno de 20% a 25%.

Mesmo que o presidente já tenha dito que não irá autorizar qualquer congelamento das aposentadorias e pensões, a chamada “desindexação” que significa a desobrigação da concessão de reajustes para manter o poder de compra, está novamente entre as negociações do Congresso.

Segundo as informações divulgadas no jornal O Estado de São Paulo, o congelamento de benefícios com valor superior a um salário mínimo, atualmente em R$1.045, está sendo discutido, mas ainda longe de uma decisão.

Com a eminente segunda onda do coronavírus as discussões entre o governo e parlamentares sobre uma possível prorrogação do auxilio emergencial em 2021 também ressurgiu.

O pagamento de novas parcelas não agrada o ministro da Economia Paulo Guedes, que se mostra contra a prorrogação.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.