Fim do Renda Cidadã promete transformar investimentos para o Bolsa Família em 2021

Governo federal decide suspender o Renda Cidadã e novo Bolsa Família deverá ser criado. Na última semana, o ministro da economia, Paulo Guedes, falou sobre as dificuldades de criar um projeto social. De acordo com ele, a avaliação das propostas do RC será temporariamente suspensa e outros investimentos passarão a ser estudados para turbinar o BF. 

Fim do Renda Cidadã promete transformar investimentos para o Bolsa Família em 2021 (Imagem: Reprodução Google)
Fim do Renda Cidadã promete transformar investimentos para o Bolsa Família em 2021 (Imagem: Reprodução Google)
publicidade

A criação do Renda Cidadã vem sendo debatida desde o começo de outubro, mas até o momento o governo não obteve sucesso em sua implementação.

Entre as maiores dificuldades está a falta de recursos necessários para custear a nova folha de pagamento, que contaria com um número maior de contemplados em comparação com o Bolsa Família 

Investimentos no Bolsa Família 

Diante dos impasses políticos e administrativos, Guedes informou que não descarta a possibilidade de turbinar o Bolsa Família. Segundo o ministro, a reformulação do atual projeto já implementado custaria menos para a gestão pública.

Ele explicou que sua equipe vem trabalhando a possibilidade de aumentar o número de contemplados. 

A ideia inicial é que cerca de 2 milhões de inscritos no auxílio emergencial passem a fazer parte da folha orçamentária. Além disso, os ministérios da economia e da cidadania atuam juntos para avaliar outras formas de levantar recursos para a manutenção do programa.  

Espera-se que sejam contabilizados cerca de R$ 38 bilhões para gerir a pauta em 2021. A quantia pode ainda ser amplificada, caso o governo consiga fazer novas transferências de recursos.  

Novo imposto  

Como sugestão para arrecadar financiamento, Guedes sugeriu a criação de um novo imposto. A cobrança seria aplicada por meio das transações financeiras digitais, sendo aplicados nas TED’s eletrônicas valores a cada transação.  

O vice-presidente, Hamilton Mourão, já acatou a proposta e disse que se trata da única alternativa possível diante do atual momento de crise. Ele reforçou ainda que com as despesas geradas pelo auxílio emergencial, o poder público precisará passar por uma revisão orçamentária para reorganizar as contas.  

É válido ressaltar que todas as propostas apresentadas até o momento poderão ser modificadas mediante os desdobramentos políticos. O presidente Jair Bolsonaro já informou que só deverá definir sobre o Bolsa Família quando for encerrada a votação do segundo turno. 

 

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.