Confira dicas essenciais para usufruir do PIX durante a Black Friday

O PIX, novo sistema de pagamentos do Banco Central (BC), promete um novo fôlego aos comerciantes e facilidade aos consumidores em uma das datas mais importantes para o comércio varejista, a Black Friday, que este ano será realizada no dia 27 de novembro.

publicidade
Confira dicas essenciais para usufruir do PIX durante a Black Friday
Confira dicas essenciais para usufruir do PIX durante a Black Friday (Imagem: Reprodução/Google)
publicidade

O Banco Central (BC) liberou o cadastramento nesta última segunda-feira (05) e mais de 21 milhões de ‘‘chaves de identificação’’ já foram registradas até o fim da tarde desta quinta (08). A nova modalidade de transferências e pagamentos instantâneos entra em funcionamento dia 16 de novembro.

Com a chegada do PIX, os consumidores poderão fazer compras online e presencialmente sem utilizarem cartão de crédito, boleto bancário ou portar dinheiro.

Compras online

O comércio eletrônico deve se destacar durante a Black Friday deste ano, especialmente por conta do isolamento social devido à pandemia da covid-19.

Hoje em dia, o pagamento por boleto, por exemplo, leva até 48 horas para ser compensado ao vendedor, o que atrapalha a liberação do produto para a transportadora. Com o PIX, o pagamento é imediato e os produtos adquiridos devem chegar até o cliente num prazo menor que o atual.

Redução nas filas

Outra vantagem do PIX é a redução nas filas, que são muito comuns durante a Black Friday. Como o pagamento é automático e instantâneo, o processo é muito mais rápido do que com as maquininhas de cartão e, não há a necessidade de troco, como ocorre nas quitações em dinheiro.

Limites

Com o PIX, não há limites de valores diários para serem movimentados ou transferidos, como ocorre com o DOC, por exemplo.

Comerciantes se preparam

Representantes do setor varejista acreditam que a efetivação do PIX não será muito rápida, porém, estão animados com a possibilidade de redução das taxas cobradas nas transações.

“Hoje o custo de cada operação varia dependendo do tamanho da empresa (normalmente entre 2% e 4,5% do valor da transação). Com o PIX, teremos cobrança única, que é de apenas R$ 0,01 a cada 10 transações. Isso muda muito o custo para o varejo”, diz o vice-presidente do IDV (Instituto de Desenvolvimento do Varejo), Jorge Gonçalves Filho.

Cadastro do PIX

O Banco Central destacou que há uma data limite para que pessoas físicas e jurídicas realizem o cadastramento das chaves no novo sistema. Confira um passo a passo de como cadastrar sua chave PIX, clicando aqui.

Cada pessoa física pode registrar até cinco chaves para cada conta. No caso de empresas, o limite é de 20 chaves por conta. No entanto, não é possível vincular a mesma chave a mais de uma conta. A chave ficará vinculada ao banco que realizou o cadastro. Uma chave já utilizada em um banco, não poderá ser usada em outros.

Fique atento aos golpes

A nova modalidade já vem sendo utilizada para golpes online que utilizam a grande novidade como assunto para roubar dados dos usuários.

Os golpes mais recentes utilizando o PIX usam a técnica de phishing, que rouba os dados dos usuários criando falsas mensagens de instituições financeiras. No golpe, eles solicitam que os clientes registrem suas chaves por meio de sites falsos.

Para não cair neste golpe, evite aceitar convites que chegam através de e-mails, SMS e textos em redes sociais. Em caso de dúvidas, entre em contato com sua instituição para esclarecimentos.

Além dos dados pessoais, em alguns casos os golpistas pedem através de ligações até os dados bancários de autenticação, como sua senha. O BC ressalta que proíbe o registro de chaves através de telefonemas.

AvatarGuilherme Moreira
Guilherme Moreira é formado em Criação e Produção Audiovisual pelo CBM (Centro Universitário Barão de Mauá). Atuou como roteirista, produtor e editor do SBT interior e na redação de blogs e sites informativos. Atualmente, trabalha como social media e redator do portal FDR. |  Instagram @guimemoreira