Na última terça-feira (8), o Governo Federal suspendeu, por até seis meses, o pagamento do financiamento do Minha Casa Minha Vida (MCMV). A suspensão é válida para os financiamentos contratados pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). 

publicidade
Beneficiados no Minha Casa Minha Vida ganham mais tempo para pagar financiamento 
Beneficiados no Minha Casa Minha Vida ganham mais tempo para pagar financiamento (Imagem: reprodução Google)
publicidade

A suspensão temporária beneficia pessoas físicas com renda de até R$ 4 mil mensais com financiamentos tomados dentro do MCMV.

As operações como carta de crédito individual, apoio à produção de habitações e a carta de crédito associativo são as que estão inclusas.

No total, a suspensão solicitada pelos agentes de bancos deve representar mais de R$ 3 bilhões em pagamentos congelados.

Os valores das parcelas suspensas serão aplicados nos demais pagamentos previstos no contrato a partir de janeiro de 2021. 

Novo programa substitui o Minha Casa Minha Vida

O Governo Federal anunciou em agosto o programa Casa Verde e Amarela (CVA), que vai substituir o MCMV. Juntamente com a suspensão das parcelas do MCMV, o conselho do FGTS aprovou mudanças para que os juros o CVA sejam reduzidos. 

Dentre as alterações do juros estão previstas a redução na remuneração dos recursos do FGTS juntamente com os cortes nos subsídios concedidos em financiamentos. O percentual de juros cobrados das famílias pode ter redução de até 0,5 ponto. 

Os recursos do FGTS foram reduzidos, ou seja, o valor que os bancos pagam o fundo pelo uso do financiamento de 5% para 3,8% a 4,8%.

Para compensar a redução, foi aprovada uma revisão dos subsídios pagos em financiamentos habitacionais de famílias de baixas rendas. 

Atualmente, em um cenário de faixa de renda de 2 mil reais, o FGTS é responsável por 2,16% por ano dos juros do financiamento. A previsão é de que ocorra a redução para 0,96% em cinco anos. Os outros 1,20% serão transferidos para o recebedor do empréstimo. 

A taxa de administração dos financiamentos será quitada pelo FGTS apenas para as famílias com renda mensal de até R$ 2,6 mil. 

O governo, no entanto, admite que o Casa Verde e Amarela não é um programa novo. A iniciativa propõe um conjunto de medidas para “aprimorar os programas habitacionais existentes e diversificar o catálogo de opções ofertado”

O público-alvo do Casa Verde e Amarela são as famílias com renda média mensal de até R$ 7.000. Os maiores incentivos estão concentrados nas regiões Norte e Nordeste do país.

Lucas Santos é jornalista graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Possui experiência em assessoria de imprensa na Prefeitura Municipal de Cariacica e redação de notícias para o portal FDR. | Instagram @lucas.sanp | LinkedIn @lucassantospto