Queda na taxa Selic pode mudar financiamento imobiliário? Entenda!

Com a queda da Selic, o financiamento do imóvel se tornará mais barato? Entenda. Desde o mês de janeiro, a taxa básica de juros nacional registrou quatro quedas consecutivas. Um dos principais motivos para isso está associado a crise econômica do novo coronavírus. Com o país em clima de instabilidade financeira, sua redução pode resultar em um fomento para o mercado que passa a ter maiores chances de rotação econômica.  

Queda na taxa Selic pode mudar financiamento imobiliário? Entenda! (Imagem: Google)
Queda na taxa Selic pode mudar financiamento imobiliário? Entenda! (Imagem: Google)

Mesmo com a Selic registrando uma mínima história de 2% ao ano, o mercado para o financiamento imobiliário ainda mantém suas taxas de juros.

De acordo com um levantamento feito pelo Valor Investe, apenas o Santander e o Itaú reajustaram os juros de seus créditos para quem deseja comprar um imóvel nesse período de pandemia.  

Para os clientes do Bradesco, Caixa Econômica e Banco do Brasil, as aplicações permanecem mais elevadas, com juros que variam entre 6,5% até 8,45%. Já nos bancos onde houve uma redução, os valores das cobranças representam cerca de 6,99%.  

Tabela de taxas mínimas aplicadas em financiamento x taxa referencial

Instituição  Taxas mínimas de crédito imobiliário 
Caixa  A partir de 6,5% ao ano + TR 
Itaú  A partir de 7,3% ao ano + TR 
Santander   A partir de 6,99% ao ano + TR 
Banco do Brasil  Entre 7,99% + TR até 8,45% + TR a depender do prazo do financiamento 
Bradesco  A partir de 7,3% ao ano + TR 

Fonte: Valor Investe 

Questionada sobre sua aplicação de juros, uma vez em que possui a menor cobrança nacional, a Caixa informou que não aplicou alterações, pois no período pré-pandemia sua linha de crédito já tinha sido atualizada.  

“O banco reforça que se baseia na associação de fatores mercadológicos e conjunturais em suas análises, considerando o contexto do atendimento aos clientes, dentro das regras prudenciais de definição das condições do crédito”. 

Já o Bradesco e Banco do Brasil não se pronunciaram a respeito, mas deverão manter tais números até o fim deste ano. Dessa forma, até o momento, são vistas como as instituições menos benéficas para solicitar o financiamento de imóveis. 

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.