Prorrogação do auxílio emergencial está cada vez mais próxima de acontecer

O auxílio emergencial que termina em agosto, após cinco pagamentos, está sendo analisado pelo presidente e o ministro da economia para que seja prorrogado. A intenção é fornecer aos brasileiros beneficiados mais algumas parcelas do pagamento.

publicidade
Prorrogação do auxílio emergencial está cada vez mais próxima de acontecer
Prorrogação do auxílio emergencial está cada vez mais próxima de acontecer (Imagem: Reprodução Google)
publicidade

Paulo Guedes, Ministro da Economia, e o Presidente da República Jair Messias Bolsonaro (sem partido) estiveram em reunião ontem (17) no Palácio do Planalto para decidir sobre a prorrogação do auxílio emergencial.

O ministro da economia foi até o Planalto acompanhado por uma equipe de secretários, com o intuito de discutir uma técnica para conseguir realizar a prorrogação do auxílio emergencial tão pedida pelo presidente.

A reunião entre Guedes e Bolsonaro teve como temas: uma Medida Provisória (MP) para liberar R$ 5 bilhões para obras de infraestrutura e a elaboração de uma PEC do Gatilho, que iria substituir e unificar as PECs Emergenciais e o Pacto Federativo.

A intenção é que com essas medidas seja possível a criação do Renda Brasil substituindo o programa Bolsa Família. Para isso é necessário que o Congresso Nacional aprove a medida criada pelo presidente e o ministro.

O que esperado é que o auxílio emergencial chegue ao fim, mas que os beneficiários recebam o Renda Brasil, que irá unificar os o Bolsa Família, abono salarial, seguro-defeso e o salário família ofertando assim, um valor superior ao recebido pelo programa anterior.

Quem tem direito de receber o auxílio emergencial

O auxílio, segundo a Caixa Econômica Federal, é um benefício financeiro que contempla trabalhadores informais, desempregados, microempreendedores individuais (MEI) e autônomos o auxílio emergencial, com o único objetivo de ajudar os brasileiros durante esse período de pandemia do Covid-19.

A princípio o pagamento era previsto para três parcelas, mas foi prorrogado por mais dois. O Governo Federal está vendo formas de disponibilizar a ajuda financeira até março de 2021, porém a medida de pagar mais parcelas sofre muitas críticas.

Segundo economistas, essa medida pode afetar a economia do país ainda mais. Outros já dizem que não tem onde retirar esse dinheiro sem ultrapassar o teto de gastos.

Porém, o presidente acredita que esse dinheiro irá movimentar a economia do Brasil e ajudar a manter a inflação.

Glaucia AlvesGlaucia Alves
Gláucia Alves, formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Foi professora por 7 anos. Esse ano começou a trabalhar como redatora e como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR e realiza consultoria de redação on-line.