Flexibilização da economia: Saiba o que voltou a funcionar nos estados do sul do Brasil

PONTOS CHAVES

  • Sul do país enfrenta novo período de isolamento
  • Medidas de restrição variam de acordo com o índice de infectados
  • Santa Catarina contabiliza mais de 100 mil casos

Flexibilização da economia permite que a região Sul do país retome seu ritmo econômico, mas gera uma elevação no número de infectados. Assim como as demais regiões brasileiras, os estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina também foram gravemente afetados pela pandemia do novo coronavírus.   

Flexibilização da economia: Saiba o que voltou a funcionar nos estados do sul do Brasil (Imagem: Reprodução – Google)

Sendo os primeiros a adotarem as medidas de isolamento, seus municípios agora dão início a um processo de retomada, mas ainda de forma instável

Em Santa Catarina, a liberação da quarentena ocorreu já no mês do abril. O estado foi um dos primeiros a adotar o isolamento social, mas acabou por antecipar sua reabertura cedo demais, fazendo com que houvesse um novo pico de infecção.

Dessa forma, as ações de flexibilizações precisaram ser suspensas em cidades específicas, até que o número de leitos nas UTI’s voltassem a ficar disponíveis.  

Na última sexta-feira (07), o governo do estado anunciou que estaria ampliando, mais uma vez, as medidas de distanciamento social. Para as regiões consideradas gravíssimas, as atividades de transporte público ficaram paralisadas por um período de sete dias.

De acordo com o decreto, a decisão será válida a partir desta segunda-feira (10) para as seguintes localidades: Alto Vale do Itajaí, Médio Vale do Itajaí, Foz do Rio Itajaí, Nordeste, Carbonífera, Extremo Sul, Alto Vale do Rio do Peixe e Meio Oeste. 

Já a circulação em espaços públicos, como parques e praias também foi paralisada por 7 dias, estes válidos desde o último sábado (08). Ficam suspensas também a prática de atividades culturais, como cinemas, museus, espetáculos, shows e abertura de casas noturnas. 

Já as competições esportivas podem acontecer, desde que não haja participação do público. O comércio deve funcionar de acordo com as normas de cada prefeitura, respeitando o distanciamento e a utilização obrigatória de máscaras.

Por fim, as aulas para o ensino infantil e médio permanecem proibidas até o dia 7 de setembro, nas redes públicas e particulares.   

Ao todo, serão 133 municípios em nova fase de isolamento, o que representa aproximadamente 55,5% da população total do estado. Até o momento, o estado conta com mais de 105 mil casos do covid-19.  

Coronavírus no Paraná  

No Paraná, as atividades seguem funcionando ainda com o decreto em vigor no mês de março, onde foram determinadas as atividades essenciais. 

De modo geral, o estado não adotou uma quarentena rígida, optando preferencialmente pelas medidas de distanciamento e higienização em cada setor.  

Para cada município, a prefeitura está adotando as ações de reabertura das atividades vistas como não essenciais, como serviços ligados a cultura, entretenimento, turismo, entre outros.

Já as atividades estudantis, ainda estão em situação de suspensão. Os alunos da rede pública e privada devem manter o cronograma de aulas remotas até o mês de setembro. O governo ainda está elaborando a estratégia de reabertura das unidades de ensino.  

A flexibilização da economia para o comércio, permite a abertura de lojas, mas seguindo os decretos de cada cidade que pontuam o número limite de pessoas, horário de funcionamento, ações de higienização e mais.

Entretanto, é válido ressaltar, a utilização de máscaras segue sendo obrigatória para toda a região.  

Flexibilização da economia: Saiba o que voltou a funcionar nos estados do sul do Brasil (Imagem: Reprodução – Google)

O governador, Carlos Massa Ratinho, ainda está em negociação para a aquisição das vacinas. Segundo fontes do governo, serão injetados mais de R$ 100 mil para garantir que o medicamento circule por cada município.  

Rio Grande do Sul  

Por fim, no Rio Grande do Sul o isolamento ainda é mais rígido. O governo adotou uma série de medidas de distanciamento para controlar o número de contaminação. O processo de reabertura, de acordo com os últimos boletins públicos, deverá ser feito em quatro níveis de restrição, respeitando os índices de infectados por região.  

Os locais que estiverem com a bandeira vermelha, precisarão suspender todas as suas programações. Em verde, significa uma flexibilização mais tranquila, amarelo intermediária e laranja dá início ao processo de alerta.  

As atividades escolares ainda estão sem previsão de retorno. Segundo a secretaria de educação, um novo informe deverá ser publicado nos próximos dias para definir como acontecerá o semestre letivo de 2020.1.  

No comércio, as lojas voltam a reabrirem suas portas de forma lenta e gradativa, respeitando as normas de distanciamento, número de funcionários por cliente e horário de funcionamento reduzido.  

“Estas informações baseadas em ciência e inteligência nos ajudarão a tomar as medidas mais adequadas a cada situação para frear o avanço da doença no Rio Grande do Sul”, garantiu o governador Eduardo Leite.  

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.